Dr. Luiz Guedes » Blog

Matérias

DERMATITE


O Que é a Dermatite?

Presente em cerca de 7% da população mundial e com ocorrências que vão desde o nascimento até a terceira idade, a dermatite é uma doença não transmissível que, apesar de muito conhecida, ainda não é tratada com o devido cuidado, sendo muitas vezes confundida com alergias e irritações de pele e não recebendo o tratamento necessário para o desaparecimento das erupções cutâneas e da coceira.

Em geral, a dermatite consiste em um conjunto de reações do organismo devido ao contato direto ou indireto com alguma substância ou material em específico, causando erupções cutâneas e manchas avermelhadas pela pele, que desencadeiam inchaço, prurido e coceiras intensas devido à fragilidade do tecido e a falta de hidratação da pele. Em casos mais graves, a dermatite pode estimular a produção de secreções pela pele, além da inflamação da região causada pela entrada de corpos estranhos. Por não se tratar de uma doença transmissível, a dermatite é tratada como uma simples coceira

A maioria das pessoas que sofrem com a dermatite atualmente conseguem controlar seus quadros de irritação e prevenir a incidência dos mesmos através da mudança de alguns hábitos, no entanto, para que o tratamento seja direcionado e efetivo, é preciso que haja um diagnóstico apontando qual o tipo de dermatite e sua principal causa.

Os Diversos Tipos de Dermatite

Um erro comum ao tratar uma dermatite é considerar que a doença possui apenas uma ou duas faces, reduzindo todos os diagnósticos em dois ou três resultados, contudo, há uma grande variedade entre os tipos de dermatites, que são classificadas desde a idade na qual afeta o indivíduo, até o tipo de agente desencadeador da doença.

A dermatite atópica, assim como a dermatite de contato alérgica são as mais comuns de se encontrar, no entanto, o diagnóstico pode trazer dermatites de contato irritante, dermatite ocre, dermatite esfoliativa, dermatite herpetiforme, dermatite de estase, dermatite numular e até mesmo a dermatite de fralda, que pode vir a ocorrer em bebês e pessoas da terceira idade.

Cada tipo de dermatite traz características específicas e também determina a intensidade na qual as manchas afetarão o organismo. Conhecer a dermatite em questão é fundamental para identificar as causas e elaborar um plano de tratamento e prevenção em longo prazo, evitando que novas crises ocorram e garantindo qualidade de vida e bem-estar.

Principais Causas

Após compreender o tipo de dermatite, tanto o médico responsável, preferencialmente um dermatologista, quanto o paciente devem trabalhar em conjunto para analisar e descobrir qual a causa da dermatite. A hipersensibilidade da pele é um dos fatores mais comuns, mas questões genéticas e hereditárias também ajudam no desenvolvimento de doenças como a dermatite, passando para as próximas gerações a intolerância à determinadas substâncias como a lactose, em caso de ingestão direta, ou simplesmente a poeira presente no ar, que age indiretamente no organismo.

O estresse acumulado e grandes traumas também auxiliam na somatização e desenvolvimento da dermatite, contudo, é preciso levar em conta fatores hormonais, questões de irritabilidade como o atrito e até mesmo grandes mudanças na rotina, como a troca do leite materno por leite industrializado para bebês, a aplicação de vacinas ou até mesmo a influência da alimentação.

Sintomas da Dermatite

A dermatite surge com sintomas leves e muitas vezes imperceptíveis, seja com uma pequena erupção ou uma mancha avermelhada que começa a coçar. Com o passar do tempo e a intensificação da dermatite, as manchas tendem a aumentar e há o surgimento de pruridos e erupções com secreção.

Os casos mais graves de dermatite tendem a se desenvolver devido à contaminação das lesões. Ao coçar a dermatite, por exemplo, o paciente estará não só abrindo ainda mais a lesão, como permitira a entrada de corpos estranhos no ferimento e trará as bactérias da própria mão para dentro do organismo. Sendo assim, por mais difícil que seja, é necessário que o paciente com dermatite evite ao máximo o contato com as lesões, e se possível proteja-as com gaze para evitar a contaminação.

Dermatite e Qualidade de Vida

O maior incomodo relatado por quem sofre com a dermatite é, sem sombra de dúvidas, a coceira, e embora poucas pessoas considerem esse fator, a coceira constante pode afetar o desenvolvimento físico e psicológico, especialmente no período da noite, quando o corpo relaxa para dormir e as coceiras impedem que o indivíduo tenha uma noite de sono de qualidade.

Os quadros de dermatite também podem afetar o desempenho nos estudos e no trabalho, causando incômodos e gerando um estresse cada vez maior pela insatisfação e pela sensação constante de coceira na pele. Como consequência, a qualidade de vida é exponencialmente reduzida e os quadros de dermatite podem vir a agravar devido à tamanho desconforto. Em situações como essa, é recomendado conversar diretamente com o médico responsável para, se possível, iniciar o tratamento com inibidores de modo a aliviar os sintomas e permitir que o paciente descanse e consiga se recompor.

Tratamento e Prevenção

Para garantir uma recuperação tranquila e segura, é recomendada a hidratação constante das lesões com cremes apropriados para o tratamento de dermatite, além do uso de pomadas com base em esteroides e corticoides para aliviar os sintomas e permitir que o organismo ative o sistema imunológico. A maioria dos casos de dermatite são facilmente tratáveis e os resultados são visíveis na primeira semana.

Contudo, os casos mais graves onde há infecção das lesões exigem maior cuidado durante o tratamento, utilizando-se das mesmas recomendações para o tratamento de lesões leves ao mesmo tempo em que adiciona o tratamento com antibióticos e anti-inflamatórios, reprogramando o organismo de modo que a recuperação seja uma prioridade e os sintomas sejam aliviados o quanto antes.

Com o diagnostico em mãos, o paciente pode também desenvolver mudanças de hábito (e até mesmo alimentares) que funcionarão como um tratamento preventivo contra a dermatite. Esse processo deve ser realizado com a orientação médica e sua aplicação deve ser contínua, evitando a exposição do corpo aos agentes causadores da doença e permitindo uma vida tranquila e saudável sem nenhum tipo de preocupação para com as inúmeras doenças de pele.


1 de dezembro de 2017

Nenhum Comentário


PSORÍASE


A Psoríase e as Doenças Autoimunes

Atualmente cerca de 3% da população sofre com a psoríase, uma doença autoimune que ocorre devido ao ataque pelo sistema imunológico às células saudáveis da pele, criando manchas avermelhadas, irritadiças e placas esbranquiçadas por todo o corpo, com ênfase em regiões secas extremidades.

Assim como as demais doenças autoimunes, a psoríase ocorre devido à uma má interpretação do sistema imunológico, que direciona células T e glóbulos brancos para o ataque de células totalmente saudáveis, uma vez que estas são identificadas como prejudiciais ao organismo. Nesse processo de autodefesa, o corpo começa a criar lesões em si próprio, causando descamação da pele e placas nas regiões avermelhadas.

Um dos grandes problemas da psoríase, no entanto, está no fato de ser facilmente confundida com crises alérgicas e dermatites de contato, o que impede o descobrimento da doença autoimune e aumenta ainda mais o tempo para iniciar o tratamento. Em caso de surgimento de manchas avermelhadas na pele, o primeiro passo a ser dado deve ser o de consultar-se com um dermatologista para a identificação das manchas e, em caso de psoríase, identificação do tipo da doença para somente então encaminhar os devidos cuidados.

Tipos de Psoríase

A Psoríase de Placa é a mais comum atualmente e atinge cerce de 80% dos pacientes, em geral são pequenas placas que se formam no couro cabeludo, cotovelos e joelhos, causando grande incômodo devido à coceira e à constante sensação de queimação. Contudo, há também o tipo de psoríase denominado Gutata, que atinge o público infantil e adolescentes, podendo ser tratado desde os primeiros anos de vida. Além desses casos, temos a Psoríase Ungeal, conhecida por agir na região das unhas das mãos e dos pés, engrossando-as e criando uma textura escamosa.

Entre os casos mais graves, temos a Psoríase Pustulosa, que é causada devido à infecção na região onde havia uma Psoríase de Placa, por exemplo, e a Psoríase Inversa, que embora seja menos comum, atinge as regiões conhecidas como ‘dobras’ do corpo, como a axila. A Psoríase Eritrodérmica é considerada rara e grave, exigindo um tratamento extenso e altamente supervisionado. Vale ressaltar também a existência da artrite psoriásica, que causa quadros intensos de dores, rigidez e inchaço nas articulações.

Cada tipo de psoríase possui diferentes níveis de gravidade, o que desencadeia diferentes tipos de tratamento, tornando assim fundamental a consulta à um dermatologista para a realização do tratamento e a realização de métodos de estabilização do sistema imunológico de modo a prevenir demais ataques às células da pele.

Possíveis Causas da Psoríase

Estudos apontam que apenas uma pequena parcela dos pacientes com psoríase adquiriram a doença através de fatores genéticos, tendo como maiores influenciadores do desencadear da doença fatores ambientais, estresse diário e em alto nível, outras doenças autoimunes como a diabetes tipo 1, consumo desenfreado de álcool e tabaco. Além disso, pacientes acima do peso também possuem grandes chances de desenvolver a psoríase, especialmente aqueles que possuem uma alimentação pobre e sem nenhum tipo de estrutura.

Aprenda a Perceber os Sintomas

A forma mais simples de identificar a psoríase é através das manchas vermelhas na pele, principalmente quando essas veem acompanhadas de escamações esbranquiçadas, além da perda de textura e cor nas unhas. Em geral as manchas surgem no couro cabeludo, nos cotovelos, joelhos, na região genital e, em alguns casos mais específicos em mãos e pés, tendo maior incidência quando a pele demonstra estar seca.

As manchas tendem a trazer desconforto tanto com coceira leve quanto com a queimação e dores localizadas. A hidratação, tanto com água, quanto com cremes, é necessária para que a pele não resseque tanto e assim alivie os sintomas de ardência e o ataque das células T não tenham sejam tão danosos às áreas já lesionadas.

Tratamento

Embora não seja considerada uma doença contagiosa, a psoríase é uma doença crônica que não possui cura, exigindo o tratamento contínuo e permitindo que, quando estabilizada, o paciente consiga viver normalmente, sem dores ou incômodos.

Em casos mais leves da doença, onde a coceira é tolerável e não há tanto incômodo nas lesões, recomenda-se a hidratação constante, aplicação de cremes específicos e a exposição ao sol, de modo com que o próprio organismo consiga se reestabelecer e combater o ataque às células. Contudo, também é recomendada uma reavaliação da alimentação, de modo a investir em alimentos que trabalhem de acordo com o sistema imunológico.

Em casos moderados da psoríase, é preciso realizar todo o tratamento para casos leves e sessões de exposição aos raios ultravioleta tipo A, agindo diretamente na formação de vitamina D e auxiliando na fortificação do organismo e na interpretação das células imunológicas para com a pele, tratando em primeiro momento e prevenindo o surgimento de novas lesões em longo prazo.

Já os casos graves de psoríase exigem um cuidado mais intenso, com medicação via oral ou injetável, retardando o funcionamento do sistema imunológico e das células T que atacam o organismo para que o mesmo consiga se recuperar aos poucos e assim reduzir o grau das lesões.

Vitamina D Como Agente Redutor dos Sintomas

Entre os métodos de tratamento e prevenção da psoríase, a exposição direta aos raios UV em horários saudáveis (começo da manhã e final da tarde) é um dos mais recomendados por ser uma atividade simples, acessível e com grande impacto. Isso porque a formação de vitamina D se dá com a sintetização dos raios UV na pele, de modo com que haja uma maior liberação de tal hormônio para o sistema imunológico, agindo no equilíbrio do funcionamento e prevenindo não só a psoríase como também outras doenças autoimunes como vitiligo, lúpus e até mesmo artrite reumatoide.

A psoríase tem como maior inimigo nos dias de hoje a falta de informação acerca de suas características, o que dificulta o diagnostico e ainda a coloca como tabu, visto que muitos ainda acreditam que se trata de uma doença contagiosa, quando na realidade a psoríase nada mais é que uma reposta do sistema imunológico contra o próprio corpo e seus pacientes podem viver normalmente e com qualidade de vida uma vez que a doença está em tratamento e controlada.


20 de novembro de 2017

Nenhum Comentário


Telômeros


A Função dos Telômeros no Organismo

Os telômeros são complexos formados por DNA e proteína que estão presentes nas extremidades de cada cromossomo de modo a impedir o desgaste e garantir a preservação do material genético durante as divisões celulares. Essas pequenas partículas protetoras tendem, no entanto, a se desgastar com o tempo, reduzindo seu comprimento e desencadeando a morte das células uma vez que esgotadas.

Os telômeros funcionam, segundo a Nobel de fisiologia e medicina, como as pontas de plástico em um cadarço, de modo a proteger o material e não expor suas extremidades. Contudo, ao contrário dos demais componentes da célula, o telômero não pode ser reposto ou refeito, fazendo com que sua extensão diminua a cada divisão celular e que seja possível calcular sua duração no organismo através de sua extensão. Diversos profissionais calculam a estimativa de vida de um paciente através da extensão dos telômeros e de sua quantidade, prevendo por quanto tempo ainda haverá uma divisão celular saudável que supra as necessidades do organismo.

A Descoberta de Elizabeth Blackburn

Elizabeth Blackburn tornou-se conhecida em 2009 após conquistar o Nobel da fisiologia e medicina com sua pesquisa acerca dos telômeros, publicada no livro “O Segredo Está nos Telômeros”, onde aponta a importância das extremidades cromossômicas como forma de apontar a longevidade de um indivíduo e inclui a descoberta da enzima telomerase como forma de prevenir o encurtamento dos telômeros, melhorando o bem-estar e apontando melhoras significativas na expectativa de vida.

Além disso, em seu estudo Blackburn aponta dicas que podem melhorar os níveis de telomerase e, consequentemente, garantir maior retardamento do encurtamento dos telômeros. Segundo as pesquisas, hábitos estressantes e a alimentação interferem diretamente na oxidação e desencadeiam um processo de divisão celular acelerado que prejudica diretamente a ação dos telômeros, visto que estes começam a encurtar de forma mais rápida.

Expectativa de Vida e Longevidade

Os telômeros dizem muito sobre a saúde de um indivíduo, sobre seus hábitos e sobre a sua expectativa de vida. Uma pessoa que bebe refrigerantes diariamente, por exemplo, possui um alto consumo diário de açucares, motivo pelo qual seus telômeros são equivalentes aos de uma pessoa cerca de 4 anos mais velha.

Sendo assim, é possível determinar a longevidade e melhorar a qualidade de vida apenas com a análise dos telômeros, verificando se há possibilidade mudanças em nível celular de modo a induzir uma maior produção enzimática da telomerase ou se os hábitos alimentares e físicos já são bons o bastante para garantir a qualidade de vida.

Os telômeros são, portanto, definidores da longevidade de cada indivíduo, pois apontam o nível celular no qual o organismo está estabilizado e possibilitam a previsão de doenças causadas pelo envelhecimento celular, como câncer, doenças cardíacas, leucemia, cirrose no fígado e alguns distúrbios intestinais.

O Papel da Telomerase na Proteção dos Telômeros

A enzima telomerase, presente em grandes quantidades nas células-tronco e produzida através de hábitos saudáveis e boa alimentação, é responsável por promover uma proteção aos telômeros e preservar sua extensão durante mais tempo, visto que o desgaste do telômero é o verdadeiro responsável por sua redução nas divisões celulares.

Com a presença da enzima telomerase, os desgastes são retardados e há um aumento na expectativa de vida. Portanto, ao invés de prezar pela saúde dos telômeros, visto que isso é impossível, devemos buscar formas eficientes de produzir a enzima que os protege, estendendo assim o tempo determinado pelo relógio biológico dos telômeros.

Formas de Evitar o Desgaste dos Telômeros

Elizabeth Blackburn aponta em seu estudo diversos métodos de manter um alto nível enzimático de telomerase, aumentando sua produção e agindo diretamente na proteção e prevenção do encurtamento dos telômeros, que por sua vez estarão protegendo os cromossomos e todo o material genético do organismo.

O estresse diário e a violência foram apontados como principais sintomas do desgaste dos telômeros. Tais fatores forçam o organismo a gerar novas células, aumentando a replicação das mesmas e consequentemente, encurtando o comprimento dos telômeros.

Para combater esse estresse oxidativo no organismo, Blackburn recomenda a mudança de hábitos e a valorização da saúde. Primeiramente, é necessário manter uma rotina de sono livre de transtornos, deixando os smartphones de lado e tendo no mínimo 7 horas de sono contínuo todos os dias. Nesse caso, é importante salientar que o sono deve ser de qualidade, proporcionando descanso e permitindo que o organismo funcione sem distúrbios.

Além disso, a prática de exercícios físicos também interfere diretamente na produção da enzima telomerase, visto que o organismo já estará queimando calorias e reduzindo os níveis de açúcares e gorduras ali presentes. Caminhadas e corridas entre 10 e 45 minutos todos os dias já garantem diferença na expectativa de vida, mantém os telômeros protegidos e um dia a dia saudável, agindo também no alívio do estresse.

Por fim, Elizabeth Blackburn ressalta a importância da alimentação balanceada, nutritiva, rica em minerais e antioxidantes, pois dessa forma é possível garantir que o corpo estará funcionando em equilíbrio e a produção de telomerase poderá ser destinada para tratar dos telômeros e do material genético. O consumo de açúcares e de alimentos processados é, no entanto, extremamente prejudicial à saúde e pode vir a desencadear doenças em longo prazo.

Os Telômeros e a Clonagem

Como curiosidade, vale citar um experimento que conquistou o mundo e que, infelizmente, não obteve uma longa história devido à necessidade de telômeros no organismo. A clonagem da ovelha Dolly, realizada em 1996, sofreu as consequências do envelhecimento precoce devido ao tamanho dos telômeros utilizados no processo de replicação.

Enquanto um filhote nasce com longos telômeros, um indivíduo adulto já possui o desgaste causado pelo tempo, ainda mais quando tratamos de determinados animais, que possuem um tempo de vida ainda mais curto que o humano.  Consequentemente, a ovelha clonada não possuía telômeros longos o bastante para garantir muitos anos de vida e os cientistas puderam comprovar a verdadeira influência dos telômeros no processo de envelhecimento e expectativa de vida.

Os telômeros, embora não tão conhecidos na mídia, são parte fundamental do mecanismo celular e o cuidado para preservar sua extensão deve ser diário e contínuo. Em caso de dúvidas acerca da saúde de seus telômeros, vale a pena consultar um médico especialista e analisar as possibilidades de melhoria para aumentar a produção de telomerase e assim garantir uma vida longa, saudável e livre de preocupações!


10 de novembro de 2017

Nenhum Comentário


Constipação


Por Que Devemos Nos Preocupar Com a Constipação?

Lidar com a dificuldade de ir ao banheiro frequentemente é uma situação mais do que comum na vida de muitos brasileiros, principalmente entre as mulheres, no entanto, poucos são poucas as pessoas que sabem que a constipação e a lentidão do sistema digestivo são questões que podem prejudicar diretamente a qualidade de vida e interferir na saúde tanto em curto quanto em longo prazo.

A constipação, embora pareça inofensiva, pode gerar dores na região do cólon e da lombar, além de desenvolver quadros de fadiga e ansiedade devido ao mal-estar e ao inchaço que proporciona. Segundo o Instituto Nacional de Diabetes, Doenças Renais e Digestivas, a constipação consiste em quadros onde o indivíduo evacua menos de três vezes ao longo da semana.

Sintomas e Causas

Entre as principais causas da constipação estão a falta de ingestão de fibras, o estresse constante, a má alimentação, os hábitos sedentários e em alguns dos casos, o mau funcionamento do trato digestório. Mas para que a constipação seja notada, não é necessário apenas que haja uma baixa quantidade de evacuações, como também é possível que o paciente sinta que está evacuando menos que o normal, sentindo um inchaço na região do abdome e até mesmo quadros de gases que antes não lhe eram comuns.

A constipação também pode afetar o emocional, gerando estresse e cansaço físico, além de dores e incômodos constantes que afetam o desempenho do indivíduo no cotidiano. Por vezes uma dieta pobre em nutrientes ou o consumo de medicamentos como antidepressivos e diuréticos são o suficiente para desencadear um processo de desequilibro intestinal.

7 Remédios Naturais Para Prevenir e Tratar a Constipação

Muitas pessoas estão acostumadas a conviver com a constipação e, por falta de conhecimento ou até mesmo por hábito, não busca informar-se acerca das possibilidades para melhorar a qualidade de vida. No entanto, outras pessoas conhecem seu organismo como a palma de suas mãos e por isso sabe identificar quando algo está errado.

Nesses casos, é possível recorrer à métodos naturais e de fácil aplicação para melhorar tanto a saúde da flora intestinal quanto para garantir que seu intestino volte a funcionar normalmente. São escolhas simples, mas que garantem mudanças significantes ao organismo tanto no tratamento quanto na prevenção da constipação em longo prazo.

1.     Alimentos Ricos em Fibras

Primeiramente, deve-se aumentar o consumo de alimento com fibras, para melhorar tanto o volume quanto a consistência das fezes, fazendo com que seu trajeto no trato digestório seja facilitado e não cause incômodos ou dores. Entre os alimentos com fibras estão frutas, vegetais crus, nozes, grãos integrais, feijões e lentilha. Sempre que possível, o paciente deve buscar fibras categorizadas como solúveis, melhorando o funcionamento do intestino como um todo e, consequentemente, melhorando sua alimentação.

2.     Hidratação

O consumo diário de água faz grande diferença no funcionamento do organismo e principalmente no sistema digestivo, pois possibilita que as fibras ingeridas sejam transportadas com maior facilidade pelo intestino. No entanto, deve-se evitar o consumo de bebidas açucaradas como refrigerantes, chás industrializados e os famigerados sucos de caixinha, pois o excesso de açúcar intensifica os sintomas da constipação.

3.     Ameixas Secas

Seja in natura ou em suco, o consumo de ameixas secas é fundamental para aliviar os sintomas e tratar a constipação. A pequena fruta, quando desidratada, é considerada um dos melhores laxantes naturais, além de serem uma fonte de fibra prática para o dia a dia. Recomenda-se a ingestão de porções de 50g de ameixa entre duas e três vezes ao dia.

4.     Probióticos

Em diversos casos é necessário restaurar a flora intestinal para que o sistema digestivo volte a funcionar com harmonia, para isso, recomenda-se a ingestão de alimentos probióticos que garantem o equilíbrio das bactérias no intestino e auxiliam na produção do ácido láctico e do ácido graxo para melhorar a consistência das fezes.

5.     Café

O café está no dia a dia de todos os brasileiros, mas poucos sabem que a bebida é uma excelente forma de estimular os músculos do sistema digestivo, sendo considerada uma fonte de fibra solúvel de fácil acesso e que tem uma ingestão prática e natural ao cotidiano brasileiro.

6.     Evite Alimentos Com Lactose

Os alimentos com lactose são conhecidos por proporcionar a prisão de ventre e dificultar o movimento das fezes no intestino. Em diversos casos a constipação é causada pelo desconhecimento da intolerância à tal enzima, fazendo com que o paciente apresente os sintomas, mas desconheça a sua verdadeira causa.

Reduzir a quantidade de alimentos com lactose pode ser uma alternativa para descobrir se há ou não uma propensão à tal intolerância, e caso o resultado seja positivo, é necessário contatar um profissional para analisar e dar início ao tratamento para a doença.

7.     Pratique Exercícios Físicos

A prática constante de exercícios físicos facilita o movimento das fezes pelo intestino, pois incentiva a atividade muscular. A prática de yoga, natação ou até leves caminhadas já reduz significativamente os sintomas da constipação e melhora o sistema digestivo em longo prazo.

Tratamento da Constipação na Medicina Integrativa

Em primeira instância, a constipação pode ser controlada com métodos naturais, mas caso o quadro venha a se estabilizar com menos três ou menos evacuações semanais é necessário recorrer à um médico ou nutricionista para que sejam detectadas as verdadeiras causas.

Profissionais com uma abordagem segundo a medicina alternativa recomendam a conciliação do acompanhamento do paciente com seu médico de confiança, junto ao tratamento dos sintomas com métodos menos invasivos e que também tenham efeito preventivo, ou seja, poderá haver um tratamento misto entre os métodos convencionais, como o uso de remédios e indicações médicas, conciliado com métodos de medicina chinesa ou até mesmo o conhecimento acerca das ervas medicinais para controlar, tratar e prevenir que a constipação volte a incomodar tal paciente.

Desse modo, não apenas há uma sincronia entre as áreas da medicina, como também é possível observar a doença de forma ampla e ter assim uma visão diferente daquela que é comumente apontada em hospitais. A constipação é uma situação comum e está presente no dia a dia de todos, no entanto, cabe ao paciente conhecer seu corpo e saber até onde seu ritmo intestinal é considerado saudável para que possa aliviar os sintomas e tratar de seu organismo da melhor forma possível.

Constipação: 7 Remédios Naturais


6 de novembro de 2017

Nenhum Comentário


Microagulhamento


Eficiência e Praticidade: Conheça as Vantagens do Microagulhamento

A cada dia que passa o microagulhamento se torna popular e almejado no mundo da estética. Um procedimento simples, que leva menos de 40 minutos para ser realizado e que promete renovar toda a pele a ponto de reduzir melasmas e apagar marcas causadas por acnes. O que para muitos parece ficção, hoje pode ser visto como realidade e está mais acessível que nuca.

Seu diferencial está no resultado natural e na suavidade da pele após o procedimento e seu respectivo tempo de recuperação. O microagulhamento é a tendência estética entre as famosas e os resultados rápidos são tentadores para quem deseja melhorar a qualidade da pele de forma natural e com saúde.

Indução Percutânea de Colágeno (ICPA)

O microagulhamento consiste na formação de lesões controladas na camada subcutânea da pele, estimulando o funcionamento do sistema inflamatório de modo a garantir que os fibroblastos que são responsáveis pela produção de colágeno voltem a agir. O processo conta com a perfuração de microagulhas em 4 diferentes direções utilizando um pequeno roller, onde as agulhas permitem a criação de novos vasos sanguíneos ao mesmo tempo em que criam novos canais para a entrada de nutrientes no tecido da pele.

O processo inflamatório, associado à ação dos fibroblastos, estimulam a criação de colágeno, elastina e ácido hialurônico por até 8 meses, dando uma aparência saudável, natural e tonificada à pele. Embora seja um processo relativamente doloroso e invasivo, não contém nenhum tipo de química ou composição artificial, permitindo que o próprio organismo alcance seus melhores resultados de forma orgânica e natural.

As Agulhas

Para realizar o microagulhamento é necessário um roller, objeto semelhante à um cilindro, que sustenta entre 200 e 400 microagulhas e é estruturado por uma haste que permite que o cilindro corra livremente pela pele. Cada roller pode ser utilizado apenas uma vez e a higiene e assepsia tanto do material quanto da própria pele devem ser motivo de atenção na hora do procedimento.

As microagulhas variam com espessuras entre 0,25mm e 3mm, tendo cada uma delas uma função específica para a pele. As agulhas mais grossas são recomendadas para o corpo, enquanto as mais finas são destinadas ao rosto e às áreas mais delicadas. A estimulação do colágeno, no entanto, só se dá com agulhas que possuem a partir de 0,5mm, visto que as demais apenas permitem a permeação de nutrientes para a pele, sendo recomendadas para hidratação e tratamentos mais superficiais.

O profissional deve recomendar agulhas que atendam a necessidade de cada paciente, e caso o mesmo se queixe de qualquer dor, é possível aplicar pomadas anestésicas ou anestesia local para que o procedimento seja indolor. As agulhas foram desenvolvidas para atingirem determinada camada da pele, mas sem causar ferimentos graves. As lesões causadas são controláveis e não causam nenhum risco à saúde.

Benefícios do Microagulhamento

Os resultados do microagulhamento podem ser vistos já nos primeiros 15 dias após a aplicação, contudo, seu ápice é dado aos três meses, quando o colágeno já está devidamente normalizado e a pele começa a ganhar uma nova estrutura de sustentação.

Entre os principais objetivos de quem recorre ao microagulhamento, a redução de manchas causadas pela acne é a mais popular, visto que ao estimular a produção de colágeno, elastina e ácido hialurônico o microagulhamento permite que o tecido se reformule e elimine as imperfeições, deixando a pele macia e, principalmente, uniforme.

Contudo, o procedimento também é recomendado para a redução de melasma de todas as intensidades, além de melhorar o fechamento dos poros e a textura da pele. Em caso de cicatrizes superficiais, o microagulhamento consegue reduzir significativamente os sinais, tornando-as marcas sutis e imperceptíveis, na maioria dos casos. O microagulhamento também ajuda no processo de rejuvenescimento facial, facilitando a permeação ativa de compostos e nutrientes e melhorando a aparência e a saúde da pele.

Microagulhamento no Corpo

Apesar de ser um procedimento popular para o rosto, também é possível realizar o microagulhamento por todo o corpo, reduzindo significativamente as marcas de celulites, flacidez e até mesmo para incentivar a nutrição do tecido da pele através da criação de novos vasos sanguíneos. Em diversas regiões, o microagulhamento proporciona a redução da pigmentação de manchas, deixando um efeito mais natural e suave sob a pele.

Sendo assim, o microagulhamento pode ser utilizado não apenas como um tratamento pontual e detalhista, como também se torna um procedimento prático para regiões maiores como culotes e coxas, onde é utilizado para estimular a produção de colágeno e assim reestruturar os tecidos, deixando a pele mais firme sem que pareça artificial.

Contraindicações

Entre as contraindicações para a aplicação do microagulhamento estão pacientes com inflamações recentes no rosto ou com algum tipo de herpes, visto que são sinais visíveis de baixa resistência e de alta propensão às contaminações externas. Além disso, pacientes com diabetes, com tendência à formação de queloides ou com pele demasiadamente sensível também devem evitar tal procedimento.

Mulheres gestantes e pessoas imunossupressoras não estão autorizadas a realizar o microagulhamento, pois não conseguem se recuperar da mesma forma que um paciente comum, logo, não alcançam o objetivo desejado com o procedimento estético.

Cuidados Após o Procedimento

Após realizar o microagulhamento é preciso ter muito cuidado com a pele, especialmente por se tratar de um procedimento que gera pequenos ferimentos, suscetíveis à entrada de quaisquer organismos externos que podem vir a infeccionar a lesão causada pela agulha e desencadear uma série de machucados pelo rosto. Sendo assim, logo após o procedimento é necessário aplicar um creme específico, que irá nutrir as aberturas e proteger levemente a pele.

Em seguida, será preciso manter a pele longe da exposição solar e ainda assim trata-la com protetor solar. A higiene deve ser feita constantemente com produtos específicos para a assepsia e deve-se evitar levar as mãos diretamente ao rosto ou aproximar-se de animais domésticos para garantir que o organismo consiga fechar todos os orifícios de forma gradual e orgânica, proporcionando assim o efeito natural e suave do microagulhamento.

Por se tratar de um procedimento com efeitos em longo prazo, é importante que seja realizado o tratamento contínuo com produtos específicos e com o pH adequado para a pele em recuperação. A ingestão de Vitamina C e proteína também faz grande diferença nos resultados do microagulhamento, pois ajuda o organismo na produção de colágeno. Converse com seu esteticista e busque produtos que estejam de acordo com a sua pele e que não prejudiquem o microagulhamento ou inibam a produção de colágeno.

A popularidade do microagulhamento cresce a cada dia, mas é importante ressaltar o procedimento deve sempre ser feito sempre por um profissional e não deve, de forma alguma, ser realizado com material reutilizado (mesmo que esterilizado) ou feito em casa.


Nenhum Comentário


Por Que Consumir Fibras Faz Bem à Saúde?


A Importância do Consumo Diário de Fibras

As fibras são as principais responsáveis pelo funcionamento equilibrado do sistema digestivo. Por se tratar de partes não digeríveis de alimentos vegetais, ao resistirem à absorção e ao processo digestivo, as fibras agem como auxiliadoras do transporte de alimentos pelo intestino, fazendo com que, primeiramente, os alimentos sejam envolvidos por uma camada semelhante à um gel, facilitando a absorção de seus nutrientes, e em seguida auxiliando na formação de volume fecal para que o que não fora absorvido pelo estomago possa ser eliminado pelo corpo.

A velocidade com a qual o sistema digestivo trabalha afeta diretamente a qualidade de vida e o bem-estar, além disso, uma vez que há uma absorção eficiente daquilo que é ingerido, o organismo aproveita melhor os nutrientes e garante maior saciedade, auxiliando também no processo de emagrecimento e controle de peso e influenciando no funcionamento intestinal como um todo.

Uma vez que as fibras entram em contato com os alimentos no intestino, é formado um gel protetor que aumenta a viscosidade para que os mesmos sejam melhores absorvidos pelo organismo e assim garantir um funcionamento mais eficiente do sistema gastrointestinal.

Fibras Solúveis e Fibras Insolúveis

As fibras podem ser divididas em duas classes, as fibras solúveis, responsáveis pelo trânsito intestinal e pela reprodução de bactérias favoráveis à flora intestinal, e as insolúveis, que auxiliam na formação do bolo fecal. Ambas as fibras são essenciais e devem ser consumidas diariamente, podendo ser encontradas em frutas e legumes ou na camada superior de cereais integrais, respectivamente.

O trabalho em conjunto das fibras solúveis e insolúveis faz com que o organismo funcione de forma equilibrada, e que o intestino não tenha problemas ao digerir os alimentos ou até mesmo para expeli-los em seguida. Sendo assim, é preciso elaborar uma dieta que contenha alimentos diversos e que sejam fontes dos dois tipos de fibras. A ausência de uma das fibras pode prejudicar o funcionamento do sistema digestivo, prejudicando toda a função gastrointestinal.

Quais São as Principais Fontes de Fibras?

Ao contrário do que é disseminado popularmente, as fibras não estão presentes apenas nos grãos integrais e em cereais, frutas, verduras e legumes também possuem altos níveis de fibras e podem auxiliar na diversificação da dieta. Uma forma simples de aumentar a quantidade de fibras ingeridas diariamente é através da inserção de pequenos grãos, sementes e cereais em saladas, sopas, iogurtes e vitaminas, sem alterar o sabor, mas oferecendo grandes valores nutritivos à refeição.

Entre as frutas, aquelas que possuem casca e bagaço possuem maiores quantidades de fibras, principalmente frutas cítricas como o limão e a laranja, mas também é possível obter fibras ao consumir amoras, uvas e ameixas secas. Já em relação às verduras e legumes, deve-se dar preferência aos mais folhosos e de cores escuras, assim como ervilhas, beterrabas, batatas, grão de bico e até mesmo mandioca. Recomenda-se ingerir os vegetais sempre crus ou cozidos ao vapor, de modo que os mesmos não percam suas propriedades devido ao cozimento.

Os farelos como farelo de trigo, farelo de aveia, assim como a linhaça, quinua, chia, granola, farinha de banana verde, soja e gergelim são fundamentais, pois dizem respeito às fibras insolúveis, necessárias para o aumento do volume fecal e para a prevenção da constipação no dia a dia.

Benefícios do Consumo de Fibras

Primeiramente, as vantagens de consumir fibras estão diretamente ligadas ao funcionamento do intestino, com a melhora do transito intestinal e o estímulo às bactérias consideradas positivas para a flora intestinal. No entanto, há muito mais sobre as fibras que seu trabalho no intestino.

Por auxiliarem no processo digestivo, as fibras também auxiliam no controle dos índices glicêmicos, e consequentemente, no controle da insulina no organismo. Além disso, o consumo regrado de fibras auxilia na redução do colesterol ruim (LDL) e no aumento do colesterol bom (HDL), gerando uma melhora direta na saúde cardíaca e nos casos de hipertensão. Todos os carboidratos são digeridos de forma mais lenta, aumentando a saciedade e auxiliando no processo de emagrecimento saudável.

Como agente preventivo, as fibras agem combatendo casos de úlceras e hemorroidas, além de prevenir o câncer de cólon e o câncer intestinal, doenças essas que assolam boa parte da sociedade atualmente. As fibras solúveis também inibem o crescimento de bactérias consideradas nocivas à flora intestinal, proporcionando assim um sistema digestório saudável e bem equilibrado. Consequentemente, a ingestão de fibras também melhora o sistema imunológico.

Hidratação

Para que as fibras funcionem como desejado, é preciso que haja a ingestão constante de líquidos, principalmente de água. As fibras solúveis se utilizam da água retida que fora ingerida para formar o gel responsável por movimentar os alimentos digeridos ao longo do intestino. Em uma dieta rica em fibras, é necessário ingerir entre 1,5L ou 2L de água, de modo que todas as fibras solúveis consigam atuar e melhorar o sistema digestivo.

Em caso de não ingestão de líquidos, é possível que surjam situações de constipação ou mal-estar, uma vez que as fibras começam a se acumular por não terem líquido o suficiente para realizar sua função.

Deficiência de Fibras: Conheça os Riscos

A ausência da ingestão de fibras pode vir a prejudicar não apenas o sistema digestório, como também desequilibra os índices glicêmicos e aumenta a produção do colesterol ruim (LDL). O primeiro sinal que aponta a ausência de fibras no organismo é a constipação e o transito lento do intestino, fazendo com que o paciente tenha incômodos na região abdominal e possa desenvolver, em longo prazo, doenças como o câncer de cólon.

Sendo assim, inserir pequenas porções de fibras diariamente ajuda no bem-estar e melhora a qualidade de vida em curto, médio, e principalmente em longo prazo. As mudanças podem ser singelas e apenas 30 gramas de fibras ao dia já suprem a necessidade do organismo e melhoram o funcionamento intestinal. Troque os grãos por versões integrais e aproveite a casca e os bagaços das frutas, com esses pequenos gestos você conseguirá observar mudanças significativas na saúde do intestino e no processo de digestão.


30 de outubro de 2017

Nenhum Comentário


Bioplastia: Harmonização e Equilíbrio


A Praticidade dos Pequenos Procedimentos Estéticos

Os procedimentos estéticos estão cada vez mais populares nos centros de beleza atuais. Os pequenos ajustes e o apagamento de determinadas imperfeições são demasiadamente atraentes ao público consumidor, principalmente quando falamos sobre procedimentos minimamente invasivos e com resultados prolongados e naturais.

Aplicações de ácido hialurônico, polimetilmetacrilato, procedimentos de lifting e sutura silhouete ganham mais adeptos a cada dia por serem métodos rápidos e que apontam os resultados já na primeira semana. Enquanto antes era necessário passar horas numa mesa de cirurgia para corrigir determinada região, hoje em dia é possível que o paciente vá até o consultório, modele seu corpo e volte em seguida para sua casa ou trabalho, sem que haja grandes impactos no dia a dia e com apenas alguns cuidados preventivos.

Além de mais práticos, tais procedimentos tendem a ser menos invasivos e oferecer um resultado natural, equilibrando a beleza do corpo e evitando o famigerado efeito artificial deixado por alguns processos estéticos.

Entre os principais procedimentos da atualidade está localizada a bioplastia, técnica de modelagem que trabalha utilizando biomateriais para seus implantes, de modo a proporcionar um efeito leve e possibilitar uma absorção e integração orgânica do produto pelo próprio organismo.

Como Funciona a Bioplastia?

A bioplastia consiste na aplicação de um gel repleto de partículas de polimetilmetacrilato (PMMA) devidamente polidas e arredondadas que irão lentamente ser incorporadas às camadas mais profundas da pele. O gel que recobre e protege as partículas de PMMA é absorvido pelo organismo com o tempo, eliminando o inchaço na região e garantindo os resultados finais. Além disso, ao ser absorvido pelo corpo, o gel incentiva lentamente a produção de colágeno, fazendo com que a proteína comece a ser produzida de forma natural e espontânea.

Ao ser aplicado, o PMMA se mantém no mesmo local, podendo ser considerado um procedimento com efeito de longo prazo, ideal para corrigir cicatrizes e imperfeições, especialmente na região do rosto, onde os traços são mais delicados e as linhas devem sempre ser finas e suaves.

O procedimento de aplicação é realizado com agulhas, não exigindo cortes ou sedação total. O esteticista irá anestesiar a região para em seguida depositar o biomaterial nos planos anatômicos mais profundos da pele. Se trata de um procedimento simples, que pode ser feito diretamente no consultório e que possibilita o ajuste gradual para que o resultado fique como cada paciente deseja.

Usos Medicinais da Bioplastia

O processo da bioplastia é conhecido há mais de 50 anos e foi, durante muito tempo, um recurso de uso exclusivamente medicinal utilizado como forma de melhorar a espessura óssea, otimizar a lente intraocular, tratar sequelas deixadas pela paralisia infantil, preencher áreas que possuíssem algum tipo de defasagem e até mesmo no preenchimento do tecido subcutâneo facial em pacientes soropositivos.

Com o passar do tempo a técnica foi sendo aprimorada e ajustada para resultados pontuais e delicados, podendo finalmente ser utilizada no rosto e em procedimentos de ajuste estético.

Bioplastia Como Forma de Modelar o Corpo

A bioplastia é utilizada em todas as regiões do corpo atualmente, sendo escolhida para modelar principalmente áreas como os glúteos, coxas ou até mesmo retirar celulites. Para o público masculino, o uso da bioplastia tem sucesso devido à sua ação nos bíceps, tríceps e ombro, definindo e modelando o corpo para alcançar os melhores resultados.

Com relação ao rosto, a bioplastia é a forma suave de corrigir detalhes e garantir um maior volume ao rosto, levantando as maçãs do rosto, aumentando os lábios e levantando sutilmente o nariz. São meros detalhes que fazem a diferença, tanto quando comparados entre si, quanto na autoestima de quem passa por tal procedimento.

O profissional que realiza o processo de bioplastia tem um trabalho muito semelhante ao escultor, pois deve moldar e ajustar o corpo humano prezando sempre pelo equilíbrio e simetria. Por se tratar de um processo pontual, consegue proporcionar resultados mais eficientes e agir diretamente no problema em questão. Não é preciso modelar todo o rosto para melhorar seu formato, basta realizar a aplicação de pequenas quantidades de PMMA na região do queixo, por exemplo, garantindo um novo desenho e melhorando a estética do rosto.

Contraindicações

No entanto, apesar de ser um método indicado para modelar o corpo e aumentar determinadas regiões, a bioplastia não é recomendada para mulheres na região dos seios, uma vez que forma uma camada de PMMA e dificulta diretamente o autoexame e a detecção de nódulos do câncer de mama.

Ainda assim, é preciso conversar com um médico ou especialista antes de realizar o procedimento de bioplastia, para analisar se há algum tipo de rejeição do corpo e ter certeza de que não haverá efeitos colaterais após a aplicação. Ao contrário do que aparenta, um procedimento estético menor exige tanta atenção quanto as grandes cirurgias e aplicações.

Após a autorização médica é possível dar início à bioplastia e calcular as quantidades necessárias para o efeito desejado. O paciente pode acompanhar acordado o resultado durante a aplicação, observando as mudanças e opinando nos detalhes. Embora seja simples, a bioplastia deve ser feita com muito cuidado e o esteticista responsável deve estar atento para que não haja nenhum tipo de desproporção devido à aplicação em demasia.

Recuperação

A recuperação após uma bioplastia é simples e rápida, deixando apenas um leve inchaço nos primeiros dias e em seguida permitindo que o organismo se ajuste ao PMMA e vice-versa. Por se tratar de uma partícula que não se desloca, o uso do PMMA permite que o paciente tenha uma rotina normal horas após o procedimento, exigindo apenas alguns cuidados relacionados à alimentação.

Vantagens da Bioplastia em Longo Prazo

No entanto, a bioplastia se tornou um processo vantajoso para todos aqueles que buscavam efeitos duradouros ao mesmo tempo em que não desejavam grandes mudanças em seu rosto ou corpo. Ao utilizar biomateriais não absorvíveis, a bioplastia permite que o corpo integre tais substâncias sem causar nenhum tipo de repulsa ou reação alérgica.

A bioplastia é, portanto, um ajuste para longo prazo, perfeito para corrigir imperfeições que venham a incomodar o paciente e eliminar de vez os problemas estéticos por não exigir nenhum tipo de retoque ou reaplicação. Os resultados definitivos são um diferencial para a bioplastia, visto que diversos outros procedimentos estéticos possuem um efeito de até 24 meses, se tornando inviável no quesito financeiro e na praticidade.

Sendo assim, a bioplastia consegue oferecer melhores resultados por um preço muito abaixo daquele que é cobrado em grandes procedimentos estéticos, ou seja, é uma excelente vantagem para aqueles que buscam corrigir detalhes com precisão, beleza e suavidade.


27 de outubro de 2017

Nenhum Comentário


A Importância das Vitaminas


_________________________________________________________

Por Que Devemos Consumir Vitaminas Diariamente?

O consumo diário de vitaminas é fundamental para sustentar todas as reações químicas realizadas pelo organismo e para garantir que o metabolismo funcione perfeitamente, permitindo que o sistema imunológico atue quando necessário e proporcionando energia para todos os sistemas.

As vitaminas são nutrientes que o organismo precisa para se manter ativo e saudável, mas que não os produz, obrigando-o a absorver tais nutrientes através da alimentação. Sendo assim, uma alimentação pobre em vitaminas não oferece tudo o que é necessário para que o corpo funcione perfeitamente, no entanto, uma alimentação rica em nutrientes possibilita qualidade de vida e saúde graças às vitaminas presentes em cada um dos alimentos.

Vitaminas Lipossolúveis

As vitaminas lipossolúveis necessitam de lipídeos para se tornarem solúveis, mas como não são utilizadas diariamente, tendem a ficar acumuladas nos tecidos adiposos para suprir a necessidade diária. São vitaminas que não precisam, necessariamente, serem consumidas todos os dias, mas que devem estar presentes em algumas refeições ao longo da semana.

Vitamina A

Encontrada em vegetais alaranjados e alimentos de gorduras como cenoura, abóbora, ovos, leite e fígado, a Vitamina A é responsável pela proteção das células contra os radicais livres, além de cuidar dos tecidos epiteliais. Em muitos casos, a ausência de Vitamina A pode causar dificuldades para enxergar ou até mesmo cegueira;

Vitamina D

Apesar de estar presente em alimentos como peixes gordos e fígado, necessita da radiação solar para auxiliar em sua sintetização no organismo. A Vitamina D auxilia na produção de insulina e no processo de absorção do cálcio, sendo fundamental para crianças e pessoas da terceira idade;

Vitamina E

A Vitamina E é uma vitamina completa, pois age no sistema nervoso, sistema muscular e auxilia na prevenção contra determinados tipos de câncer, além de melhorar o sistema imunológico. Pode ser adquirida em alimentos conhecidos pela ‘gordura boa’, como amendoim, sementes de girassol, algumas castanhas e vegetais de folhagem escura;

Vitamina K

Conhecida por atuar no sistema circulatório, a Vitamina K é uma das principais fontes da coagulação sanguínea. Sua ausência pode desencadear hemorragias e problemas estruturais nos ossos. Para consumir Vitamina K, recomenda-se couves, fígado, feijão e leite.

Vitaminas Hidrossolúveis

Já as vitaminas hidrossolúveis transitam com maior facilidade pelo sistema, sendo absorvida quando necessária e descartada constantemente através da urina. Ao contrário das vitaminas lipossolúveis, as hidrossolúveis não ficam armazenadas em nenhum tecido, logo, por serem solúveis em água e terem um processo de descarte muito frequente, as vitaminas hidrossolúveis devem ser consumidas em altas quantidades e diariamente, de modo a garantir energia e nutrição para o organismo sempre que necessário.

Vitamina B1

Por se tratar de uma vitamina necessária no dia a dia, a Vitamina B1 pode ser facilmente encontrada em cereais integrais, oleaginosas e fontes animais como fígado e carne de porco. A vitamina é fundamental para regular o sistema nervoso e o sistema cardiovascular, além de auxiliar no controle do peso. A ausência de Vitamina B1 pode desencadear fraqueza e transtornos emocionais;

Vitamina B2

O consumo de Vitamina B2 diariamente auxilia diretamente na produção de células vermelhas, melhorando o funcionamento do organismo e gerando energia para o metabolismo. Além disso, a vitamina também colabora para a diminuição de acnes e reduz os riscos de doenças oculares como a catarata. É possível absorver a Vitamina B2 em alimentos como ovos, leite e seus respectivos derivados, carne vermelha e vegetais de folhas verdes, como o brócolis e a couve;

Vitamina B3

A Vitamina B3, encontrada em carnes no geral e em cereais como o trigo, age diretamente na redução dos níveis de colesterol e no controle dos níveis de diabetes. Sua ingestão diária se torna uma forma simples de combate às doenças como o Alzheimer e determinados tipos de câncer. Pessoas que sofrem com artrite devem recorrer ao consumo de alimentos com Vitamina B3 para aliviar os sintomas e reduzir as dores;

Vitamina B5

Alimentos ricos em Vitamina B5 agem diretamente no metabolismo, processando carboidratos e gorduras de forma eficaz, auxiliando na perda de peso. A vitamina também auxilia no funcionamento do sistema nervoso e na produção de energia para uso diário. Consumir Vitamina B5 é uma forma simples de reduzir os níveis de colesterol. As principais fontes da Vitamina B5 são cogumelos, batata doce, fígado, carnes magras, sementes de girassol e demais oleaginosas;

Vitamina B6

A Vitamina B6 é fundamental para metabolizar proteínas e auxiliar na produção de hormônios como a serotonina, aliviando sintomas da TPM e ajudando no combate à depressão. Além disso, a Vitamina B6 também estimula a produção de células vermelhas e melhora a saúde do coração. A ausência de tal vitamina pode desencadear crises convulsivas e sensação de adormecimento na pele. Para repor os níveis diários de Vitamina B6 no organismo, recomenda-se o consumo de alimentos como aveia, banana, abacate e cereais;

Vitamina B7

Presente em alimentos como o ovo, soja, legumes de folhas verdes e peixes, a Vitamina B7 é fundamental para a reparação de tecidos, melhorando a saúde da pele e das unhas, e para o ganho de massa muscular. A vitamina consegue melhorar o metabolismo e queimar gorduras ao mesmo tempo em que regula os níveis de glicose no sangue, portanto, o resultado do consumo adequado de Vitamina B7 é um corpo saudável e esbelto;

Vitamina B9

Popularmente conhecida como ácido fólico, a Vitamina B9 é essencial para o bem-estar diário. Uma vez no organismo, a vitamina auxilia na redução de transtornos emocionais e diminui as chances de AVC. Além disso a Vitamina B9 auxilia no sistema cardiovascular, estimulando a produção de hemoglobinas e agindo diretamente no metabolismo. A Vitamina B9 pode ser encontrada em frutas secas, na gema do ovo, em peixes e no fígado de boi, frutas e vegetais de cores fortes como cenoura e abóbora também são excelentes fontes dessa vitamina;

Vitamina B12

Entre as vitaminas do Complexo B, a Vitamina B12 é a mais conhecida pelo público num geral, mas poucos conhecem suas verdadeiras vantagens. Primeiramente, a Vitamina B12 é utilizada para auxiliar no metabolismo, fornecendo energia e agindo diretamente na disposição diária, contudo, seus benefícios englobam outros sistemas, como o nervoso e o cardiovascular, uma vez que a vitamina estimula na produção de hormônios e na prevenção de doenças cardíacas causadas pela ausência de determinados aminoácidos. A Vitamina B12 também é recomendada para casos de anemia e pode ser encontrada em alimentos como fígado, peixes gordos e probióticos como o Kefir e derivados;

Vitamina B17

A Vitamina B17 é uma das principais apostas para o combate e tratamento do câncer atualmente e pode ser facilmente encontrada em alimentos como sementes, castanhas, cereais e até mesmo no arroz integral. Suas propriedades também melhoram na disposição e na desintoxicação do organismo. Recomenda-se que seja consumida diariamente em pequenas quantidades, de modo a repor os níveis necessários pelo organismo sem sobrecarrega-lo com o excesso da vitamina.

Diversifique os Pratos e Construa Uma Alimentação Saudável

Para consumir todas as vitaminas necessárias diariamente, diversifique os cardápios e busque quais são as melhores fontes de determinadas vitaminas. Conhecer os alimentos é o primeiro passo para melhorar a alimentação e desenvolver uma dieta exclusiva de acordo com as necessidades de cada um.

Peça a ajuda de um profissional para montar cardápios diferenciados e saborosos e realize exames constantemente para analisar quais vitaminas podem ser acrescentadas no dia a dia e quais alimentos são ideais para o seu organismo. O segredo está no equilíbrio, garantindo bem-estar e qualidade de vida em curto, médio e, principalmente, em longo prazo.


23 de outubro de 2017

Nenhum Comentário


Sutura Silhouete: Uma Forma Natural de Combater as Linhas de Expressão



A Evolução dos Procedimentos Estéticos

Os procedimentos estéticos, assim como os demais setores da medicina atual, vêm ganhando atualizações cada vez mais relevantes, de modo a facilitar o trabalho dos profissionais e garantir resultados cada vez mais suaves e naturais, algo fundamental para quem busca ajustar pequenos detalhes e imperfeições.

Ao longo dos anos, diversos procedimentos estéticos foram taxados como superficiais, devido aos resultados exuberantes ou até mesmo ao inchaço proveniente das primeiras semanas após a aplicação. Com os avanços tecnológicos atuais, no entanto, é possível realizar uma série de procedimentos muito semelhantes aos anteriores, sem que o mesmo seja demasiadamente invasivo ou que venha a prejudicar à saúde ao longo dos anos.

Os procedimentos modernos buscam ser cada vez mais sutis, com produtos não nocivos ao organismo em longo prazo, mas que ainda assim garantam resultados visíveis. A sutura de silhouete é um dos principais exemplos dessa nova fase da estética mundial, pois preza pela naturalidade dos resultados ao mesmo tempo em que estimula o organismo a produzir colágeno em longo prazo.

O Que é a Sutura Silhouete?

A sutura silhouete é um método criado nos Estados Unidos e autorizado pela ANVISA no final de 2013 que consiste na implantação de fios de sustentação subcutâneos com pequenos cones de ácido polilático, que uma vez em contato com o organismo, começa a se dissolver e estimular a produção natural de colágeno ao mesmo tempo em que fazem o lifting em determinada região do corpo.

O principal uso da sutura silhouete é no rosto, para reduzir as linhas de expressão e garantir que a pele volte a ter a sensação de firmeza, no entanto, é possível utilizar tal procedimento para reestruturar todas as partes do corpo, incluindo o pescoço e algumas regiões da barriga. Os fios são colocados em pares para garantir o equilíbrio entre os dois hemisférios do corpo e não oferecem nenhum tipo de risco à saúde por serem produzidos com biomateriais que, futuramente, serão absorvidos pelo próprio organismo. A colocação pode ser feita de modo gradual, assim os resultados serão ajustados de acordo com a necessidade de cada paciente.

O procedimento é ligeiramente invasivo, contando apenas com a aplicação da anestesia local e da inserção do fio através de uma agulha entre a camada superficial de gordura e a derme. A duração da sutura silhouete varia entre 30 minutos e 1 hora, mas não é necessário o repouso prolongado, uma vez que o procedimento não oferece riscos à saúde. O resultado é visto logo nos primeiros dias e a duração do procedimento pode chegar até 24 meses, variando de acordo com a produção de colágeno de cada organismo.

Efeito Regenerativo

O diferencial da sutura silhouete está, principalmente, em seu fator regenerativo, desencadeado pela liberação do ácido polilático no organismo, estimulando a produção de colágeno e garantindo que tal proteína consiga reduzir as marcas de idade ao mesmo tempo em que regenera o tecido e diminui o nível de profundidade das marcas. Enquanto muitos procedimentos tratam apenas o ‘agora’, a sutura silhouete providencia o efeito em longo prazo, garantindo que o próprio corpo consiga se reestruturar para diminuir as linhas de expressão.

A regeneração do tecido é fundamental por retardar o envelhecimento e tratar o problema, ou seja, garantir que a pele tenha uma aparência mais nova e que, aos poucos, se reconstitua como uma pele mais nova e mais saudável. Ao reestimular a produção de colágeno a sutura silhouete está fazendo com que o organismo volte a produzir uma proteína essencial para o bem-estar e para a qualidade de vida, não somente estética quanto no quesito de proteção dos ossos.

Resultado Natural e Suave

Entre os perfis indicados à realização da sutura silhouete estão casos de pele nova ou de média idade, entre os 30 e 60 anos, pois ainda conseguem reestruturar a produção de colágeno e prorrogar o lifting. Situações onde há flacidez ou acumulo de pele, queda das maças do rosto ou das pálpebras, flacidez no pescoço ou até mesmo as famigeradas marcas como o ‘bigode chinês’ podem ser facilmente corrigidas com a aplicação da sutura silhouete.

Primeiramente o procedimento irá garantir o levantamento da região, proporcionando um resultado imediato e um leve inchaço devido à colocação dos fios. Ao longo da primeira semana, o ácido será liberado e absorvido pela pele, fazendo com que a mesma produza, lentamente, quantidades de colágeno para a reparação local. Sendo assim, o resultado vai ganhando a verdadeira forma com o passar dos dias e não causa impacto por trazer leves mudanças.

Ao contrário de muitos procedimentos estéticos, os resultados da sutura silhouete foram pensados para serem suaves, sutis e, quando possível, imperceptíveis, trazendo um rejuvenescimento orgânico e natural, quebrando os estereótipos que dizem respeito à artificialidade dos procedimentos estéticos em geral.

A correção leve e a praticidade do procedimento fizeram da sutura silhouete um dos procedimentos mais desejados da atualidade, além da segurança proporcionada por se tratar de um material desenvolvido para ser absorvido pela própria pele, não deixando nenhum tipo de resíduo ou sequela após o procedimento.

Contra Indicações

Embora seja um procedimento seguro e favorável para a maior parte da população, a sutura silhouete também possui algumas restrições e contra indicações, relacionadas principalmente aos pacientes que possuem algum tipo de alergia ou sensibilidade à biomateriais, que possuam coagulopatias ou que tenham infecções na região facial com muita frequência. Nesses casos, recomenda-se a consulta à um dermatologista e a realização de exames para verificar se o procedimento pode ou não ser autorizado.

Como Obter os Melhores Resultados?

Contudo, para quem deseja obter os melhores resultados e alcançar o rosto dos sonhos, é recomendável a associação da sutura silhouete com outros procedimentos estéticos, como a aplicação do ácido hialurônico ou até mesmo do popular botox. O uso dos fios de sustentação da sutura silhouete não impede os demais procedimentos e é, inclusive, recomendado para garantir resultados mais suaves.

O segredo para resultados naturais não está no excesso de procedimentos, mas sim no equilíbrio entre procedimentos que forneçam aquilo que você realmente deseja, sem que os mesmos sejam utilizados em demasia. A harmonia é sempre a chave para a beleza e a sutura silhouete veio ao mercado como forma de provar que é possível atingir resultados suaves sem que para isso seja necessário realizar uma infinitude de procedimentos estéticos, se trata de uma nova fase da estética: natural, simples e orgânica.


18 de outubro de 2017

Nenhum Comentário


POSSO BEBER ÁGUA DE CÔCO A VONTADE?


Nesse vídeo tiro uma dúvida comum em meu consultório…
Assistam e saibam o que é o correto!

LINK DO INFOGRÁFICO: https://goo.gl/RcSsq2

FACEBOOK: Doutor Luiz Guedes
INSTAGRAM: @drluizguedes

 

** Consulte seu médico. Esse vídeo não substitui uma consulta médica **

 


15 de dezembro de 2016

Nenhum Comentário


Dr. Luiz Guedes

Matérias


DERMATITE

O Que é a Dermatite?

Presente em cerca de 7% da população mundial e com ocorrências que vão desde o nascimento até a terceira idade, a dermatite é uma doença não transmissível que, apesar de muito conhecida, ainda não é tratada com o devido cuidado, sendo muitas vezes confundida com alergias e irritações de pele e não recebendo o tratamento necessário para o desaparecimento das erupções cutâneas e da coceira.

Em geral, a dermatite consiste em um conjunto de reações do organismo devido ao contato direto ou indireto com alguma substância ou material em específico, causando erupções cutâneas e manchas avermelhadas pela pele, que desencadeiam inchaço, prurido e coceiras intensas devido à fragilidade do tecido e a falta de hidratação da pele. Em casos mais graves, a dermatite pode estimular a produção de secreções pela pele, além da inflamação da região causada pela entrada de corpos estranhos. Por não se tratar de uma doença transmissível, a dermatite é tratada como uma simples coceira

A maioria das pessoas que sofrem com a dermatite atualmente conseguem controlar seus quadros de irritação e prevenir a incidência dos mesmos através da mudança de alguns hábitos, no entanto, para que o tratamento seja direcionado e efetivo, é preciso que haja um diagnóstico apontando qual o tipo de dermatite e sua principal causa.

Os Diversos Tipos de Dermatite

Um erro comum ao tratar uma dermatite é considerar que a doença possui apenas uma ou duas faces, reduzindo todos os diagnósticos em dois ou três resultados, contudo, há uma grande variedade entre os tipos de dermatites, que são classificadas desde a idade na qual afeta o indivíduo, até o tipo de agente desencadeador da doença.

A dermatite atópica, assim como a dermatite de contato alérgica são as mais comuns de se encontrar, no entanto, o diagnóstico pode trazer dermatites de contato irritante, dermatite ocre, dermatite esfoliativa, dermatite herpetiforme, dermatite de estase, dermatite numular e até mesmo a dermatite de fralda, que pode vir a ocorrer em bebês e pessoas da terceira idade.

Cada tipo de dermatite traz características específicas e também determina a intensidade na qual as manchas afetarão o organismo. Conhecer a dermatite em questão é fundamental para identificar as causas e elaborar um plano de tratamento e prevenção em longo prazo, evitando que novas crises ocorram e garantindo qualidade de vida e bem-estar.

Principais Causas

Após compreender o tipo de dermatite, tanto o médico responsável, preferencialmente um dermatologista, quanto o paciente devem trabalhar em conjunto para analisar e descobrir qual a causa da dermatite. A hipersensibilidade da pele é um dos fatores mais comuns, mas questões genéticas e hereditárias também ajudam no desenvolvimento de doenças como a dermatite, passando para as próximas gerações a intolerância à determinadas substâncias como a lactose, em caso de ingestão direta, ou simplesmente a poeira presente no ar, que age indiretamente no organismo.

O estresse acumulado e grandes traumas também auxiliam na somatização e desenvolvimento da dermatite, contudo, é preciso levar em conta fatores hormonais, questões de irritabilidade como o atrito e até mesmo grandes mudanças na rotina, como a troca do leite materno por leite industrializado para bebês, a aplicação de vacinas ou até mesmo a influência da alimentação.

Sintomas da Dermatite

A dermatite surge com sintomas leves e muitas vezes imperceptíveis, seja com uma pequena erupção ou uma mancha avermelhada que começa a coçar. Com o passar do tempo e a intensificação da dermatite, as manchas tendem a aumentar e há o surgimento de pruridos e erupções com secreção.

Os casos mais graves de dermatite tendem a se desenvolver devido à contaminação das lesões. Ao coçar a dermatite, por exemplo, o paciente estará não só abrindo ainda mais a lesão, como permitira a entrada de corpos estranhos no ferimento e trará as bactérias da própria mão para dentro do organismo. Sendo assim, por mais difícil que seja, é necessário que o paciente com dermatite evite ao máximo o contato com as lesões, e se possível proteja-as com gaze para evitar a contaminação.

Dermatite e Qualidade de Vida

O maior incomodo relatado por quem sofre com a dermatite é, sem sombra de dúvidas, a coceira, e embora poucas pessoas considerem esse fator, a coceira constante pode afetar o desenvolvimento físico e psicológico, especialmente no período da noite, quando o corpo relaxa para dormir e as coceiras impedem que o indivíduo tenha uma noite de sono de qualidade.

Os quadros de dermatite também podem afetar o desempenho nos estudos e no trabalho, causando incômodos e gerando um estresse cada vez maior pela insatisfação e pela sensação constante de coceira na pele. Como consequência, a qualidade de vida é exponencialmente reduzida e os quadros de dermatite podem vir a agravar devido à tamanho desconforto. Em situações como essa, é recomendado conversar diretamente com o médico responsável para, se possível, iniciar o tratamento com inibidores de modo a aliviar os sintomas e permitir que o paciente descanse e consiga se recompor.

Tratamento e Prevenção

Para garantir uma recuperação tranquila e segura, é recomendada a hidratação constante das lesões com cremes apropriados para o tratamento de dermatite, além do uso de pomadas com base em esteroides e corticoides para aliviar os sintomas e permitir que o organismo ative o sistema imunológico. A maioria dos casos de dermatite são facilmente tratáveis e os resultados são visíveis na primeira semana.

Contudo, os casos mais graves onde há infecção das lesões exigem maior cuidado durante o tratamento, utilizando-se das mesmas recomendações para o tratamento de lesões leves ao mesmo tempo em que adiciona o tratamento com antibióticos e anti-inflamatórios, reprogramando o organismo de modo que a recuperação seja uma prioridade e os sintomas sejam aliviados o quanto antes.

Com o diagnostico em mãos, o paciente pode também desenvolver mudanças de hábito (e até mesmo alimentares) que funcionarão como um tratamento preventivo contra a dermatite. Esse processo deve ser realizado com a orientação médica e sua aplicação deve ser contínua, evitando a exposição do corpo aos agentes causadores da doença e permitindo uma vida tranquila e saudável sem nenhum tipo de preocupação para com as inúmeras doenças de pele.

Leia mais




PSORÍASE

A Psoríase e as Doenças Autoimunes

Atualmente cerca de 3% da população sofre com a psoríase, uma doença autoimune que ocorre devido ao ataque pelo sistema imunológico às células saudáveis da pele, criando manchas avermelhadas, irritadiças e placas esbranquiçadas por todo o corpo, com ênfase em regiões secas extremidades.

Assim como as demais doenças autoimunes, a psoríase ocorre devido à uma má interpretação do sistema imunológico, que direciona células T e glóbulos brancos para o ataque de células totalmente saudáveis, uma vez que estas são identificadas como prejudiciais ao organismo. Nesse processo de autodefesa, o corpo começa a criar lesões em si próprio, causando descamação da pele e placas nas regiões avermelhadas.

Um dos grandes problemas da psoríase, no entanto, está no fato de ser facilmente confundida com crises alérgicas e dermatites de contato, o que impede o descobrimento da doença autoimune e aumenta ainda mais o tempo para iniciar o tratamento. Em caso de surgimento de manchas avermelhadas na pele, o primeiro passo a ser dado deve ser o de consultar-se com um dermatologista para a identificação das manchas e, em caso de psoríase, identificação do tipo da doença para somente então encaminhar os devidos cuidados.

Tipos de Psoríase

A Psoríase de Placa é a mais comum atualmente e atinge cerce de 80% dos pacientes, em geral são pequenas placas que se formam no couro cabeludo, cotovelos e joelhos, causando grande incômodo devido à coceira e à constante sensação de queimação. Contudo, há também o tipo de psoríase denominado Gutata, que atinge o público infantil e adolescentes, podendo ser tratado desde os primeiros anos de vida. Além desses casos, temos a Psoríase Ungeal, conhecida por agir na região das unhas das mãos e dos pés, engrossando-as e criando uma textura escamosa.

Entre os casos mais graves, temos a Psoríase Pustulosa, que é causada devido à infecção na região onde havia uma Psoríase de Placa, por exemplo, e a Psoríase Inversa, que embora seja menos comum, atinge as regiões conhecidas como ‘dobras’ do corpo, como a axila. A Psoríase Eritrodérmica é considerada rara e grave, exigindo um tratamento extenso e altamente supervisionado. Vale ressaltar também a existência da artrite psoriásica, que causa quadros intensos de dores, rigidez e inchaço nas articulações.

Cada tipo de psoríase possui diferentes níveis de gravidade, o que desencadeia diferentes tipos de tratamento, tornando assim fundamental a consulta à um dermatologista para a realização do tratamento e a realização de métodos de estabilização do sistema imunológico de modo a prevenir demais ataques às células da pele.

Possíveis Causas da Psoríase

Estudos apontam que apenas uma pequena parcela dos pacientes com psoríase adquiriram a doença através de fatores genéticos, tendo como maiores influenciadores do desencadear da doença fatores ambientais, estresse diário e em alto nível, outras doenças autoimunes como a diabetes tipo 1, consumo desenfreado de álcool e tabaco. Além disso, pacientes acima do peso também possuem grandes chances de desenvolver a psoríase, especialmente aqueles que possuem uma alimentação pobre e sem nenhum tipo de estrutura.

Aprenda a Perceber os Sintomas

A forma mais simples de identificar a psoríase é através das manchas vermelhas na pele, principalmente quando essas veem acompanhadas de escamações esbranquiçadas, além da perda de textura e cor nas unhas. Em geral as manchas surgem no couro cabeludo, nos cotovelos, joelhos, na região genital e, em alguns casos mais específicos em mãos e pés, tendo maior incidência quando a pele demonstra estar seca.

As manchas tendem a trazer desconforto tanto com coceira leve quanto com a queimação e dores localizadas. A hidratação, tanto com água, quanto com cremes, é necessária para que a pele não resseque tanto e assim alivie os sintomas de ardência e o ataque das células T não tenham sejam tão danosos às áreas já lesionadas.

Tratamento

Embora não seja considerada uma doença contagiosa, a psoríase é uma doença crônica que não possui cura, exigindo o tratamento contínuo e permitindo que, quando estabilizada, o paciente consiga viver normalmente, sem dores ou incômodos.

Em casos mais leves da doença, onde a coceira é tolerável e não há tanto incômodo nas lesões, recomenda-se a hidratação constante, aplicação de cremes específicos e a exposição ao sol, de modo com que o próprio organismo consiga se reestabelecer e combater o ataque às células. Contudo, também é recomendada uma reavaliação da alimentação, de modo a investir em alimentos que trabalhem de acordo com o sistema imunológico.

Em casos moderados da psoríase, é preciso realizar todo o tratamento para casos leves e sessões de exposição aos raios ultravioleta tipo A, agindo diretamente na formação de vitamina D e auxiliando na fortificação do organismo e na interpretação das células imunológicas para com a pele, tratando em primeiro momento e prevenindo o surgimento de novas lesões em longo prazo.

Já os casos graves de psoríase exigem um cuidado mais intenso, com medicação via oral ou injetável, retardando o funcionamento do sistema imunológico e das células T que atacam o organismo para que o mesmo consiga se recuperar aos poucos e assim reduzir o grau das lesões.

Vitamina D Como Agente Redutor dos Sintomas

Entre os métodos de tratamento e prevenção da psoríase, a exposição direta aos raios UV em horários saudáveis (começo da manhã e final da tarde) é um dos mais recomendados por ser uma atividade simples, acessível e com grande impacto. Isso porque a formação de vitamina D se dá com a sintetização dos raios UV na pele, de modo com que haja uma maior liberação de tal hormônio para o sistema imunológico, agindo no equilíbrio do funcionamento e prevenindo não só a psoríase como também outras doenças autoimunes como vitiligo, lúpus e até mesmo artrite reumatoide.

A psoríase tem como maior inimigo nos dias de hoje a falta de informação acerca de suas características, o que dificulta o diagnostico e ainda a coloca como tabu, visto que muitos ainda acreditam que se trata de uma doença contagiosa, quando na realidade a psoríase nada mais é que uma reposta do sistema imunológico contra o próprio corpo e seus pacientes podem viver normalmente e com qualidade de vida uma vez que a doença está em tratamento e controlada.

Leia mais




Telômeros

A Função dos Telômeros no Organismo

Os telômeros são complexos formados por DNA e proteína que estão presentes nas extremidades de cada cromossomo de modo a impedir o desgaste e garantir a preservação do material genético durante as divisões celulares. Essas pequenas partículas protetoras tendem, no entanto, a se desgastar com o tempo, reduzindo seu comprimento e desencadeando a morte das células uma vez que esgotadas.

Os telômeros funcionam, segundo a Nobel de fisiologia e medicina, como as pontas de plástico em um cadarço, de modo a proteger o material e não expor suas extremidades. Contudo, ao contrário dos demais componentes da célula, o telômero não pode ser reposto ou refeito, fazendo com que sua extensão diminua a cada divisão celular e que seja possível calcular sua duração no organismo através de sua extensão. Diversos profissionais calculam a estimativa de vida de um paciente através da extensão dos telômeros e de sua quantidade, prevendo por quanto tempo ainda haverá uma divisão celular saudável que supra as necessidades do organismo.

A Descoberta de Elizabeth Blackburn

Elizabeth Blackburn tornou-se conhecida em 2009 após conquistar o Nobel da fisiologia e medicina com sua pesquisa acerca dos telômeros, publicada no livro “O Segredo Está nos Telômeros”, onde aponta a importância das extremidades cromossômicas como forma de apontar a longevidade de um indivíduo e inclui a descoberta da enzima telomerase como forma de prevenir o encurtamento dos telômeros, melhorando o bem-estar e apontando melhoras significativas na expectativa de vida.

Além disso, em seu estudo Blackburn aponta dicas que podem melhorar os níveis de telomerase e, consequentemente, garantir maior retardamento do encurtamento dos telômeros. Segundo as pesquisas, hábitos estressantes e a alimentação interferem diretamente na oxidação e desencadeiam um processo de divisão celular acelerado que prejudica diretamente a ação dos telômeros, visto que estes começam a encurtar de forma mais rápida.

Expectativa de Vida e Longevidade

Os telômeros dizem muito sobre a saúde de um indivíduo, sobre seus hábitos e sobre a sua expectativa de vida. Uma pessoa que bebe refrigerantes diariamente, por exemplo, possui um alto consumo diário de açucares, motivo pelo qual seus telômeros são equivalentes aos de uma pessoa cerca de 4 anos mais velha.

Sendo assim, é possível determinar a longevidade e melhorar a qualidade de vida apenas com a análise dos telômeros, verificando se há possibilidade mudanças em nível celular de modo a induzir uma maior produção enzimática da telomerase ou se os hábitos alimentares e físicos já são bons o bastante para garantir a qualidade de vida.

Os telômeros são, portanto, definidores da longevidade de cada indivíduo, pois apontam o nível celular no qual o organismo está estabilizado e possibilitam a previsão de doenças causadas pelo envelhecimento celular, como câncer, doenças cardíacas, leucemia, cirrose no fígado e alguns distúrbios intestinais.

O Papel da Telomerase na Proteção dos Telômeros

A enzima telomerase, presente em grandes quantidades nas células-tronco e produzida através de hábitos saudáveis e boa alimentação, é responsável por promover uma proteção aos telômeros e preservar sua extensão durante mais tempo, visto que o desgaste do telômero é o verdadeiro responsável por sua redução nas divisões celulares.

Com a presença da enzima telomerase, os desgastes são retardados e há um aumento na expectativa de vida. Portanto, ao invés de prezar pela saúde dos telômeros, visto que isso é impossível, devemos buscar formas eficientes de produzir a enzima que os protege, estendendo assim o tempo determinado pelo relógio biológico dos telômeros.

Formas de Evitar o Desgaste dos Telômeros

Elizabeth Blackburn aponta em seu estudo diversos métodos de manter um alto nível enzimático de telomerase, aumentando sua produção e agindo diretamente na proteção e prevenção do encurtamento dos telômeros, que por sua vez estarão protegendo os cromossomos e todo o material genético do organismo.

O estresse diário e a violência foram apontados como principais sintomas do desgaste dos telômeros. Tais fatores forçam o organismo a gerar novas células, aumentando a replicação das mesmas e consequentemente, encurtando o comprimento dos telômeros.

Para combater esse estresse oxidativo no organismo, Blackburn recomenda a mudança de hábitos e a valorização da saúde. Primeiramente, é necessário manter uma rotina de sono livre de transtornos, deixando os smartphones de lado e tendo no mínimo 7 horas de sono contínuo todos os dias. Nesse caso, é importante salientar que o sono deve ser de qualidade, proporcionando descanso e permitindo que o organismo funcione sem distúrbios.

Além disso, a prática de exercícios físicos também interfere diretamente na produção da enzima telomerase, visto que o organismo já estará queimando calorias e reduzindo os níveis de açúcares e gorduras ali presentes. Caminhadas e corridas entre 10 e 45 minutos todos os dias já garantem diferença na expectativa de vida, mantém os telômeros protegidos e um dia a dia saudável, agindo também no alívio do estresse.

Por fim, Elizabeth Blackburn ressalta a importância da alimentação balanceada, nutritiva, rica em minerais e antioxidantes, pois dessa forma é possível garantir que o corpo estará funcionando em equilíbrio e a produção de telomerase poderá ser destinada para tratar dos telômeros e do material genético. O consumo de açúcares e de alimentos processados é, no entanto, extremamente prejudicial à saúde e pode vir a desencadear doenças em longo prazo.

Os Telômeros e a Clonagem

Como curiosidade, vale citar um experimento que conquistou o mundo e que, infelizmente, não obteve uma longa história devido à necessidade de telômeros no organismo. A clonagem da ovelha Dolly, realizada em 1996, sofreu as consequências do envelhecimento precoce devido ao tamanho dos telômeros utilizados no processo de replicação.

Enquanto um filhote nasce com longos telômeros, um indivíduo adulto já possui o desgaste causado pelo tempo, ainda mais quando tratamos de determinados animais, que possuem um tempo de vida ainda mais curto que o humano.  Consequentemente, a ovelha clonada não possuía telômeros longos o bastante para garantir muitos anos de vida e os cientistas puderam comprovar a verdadeira influência dos telômeros no processo de envelhecimento e expectativa de vida.

Os telômeros, embora não tão conhecidos na mídia, são parte fundamental do mecanismo celular e o cuidado para preservar sua extensão deve ser diário e contínuo. Em caso de dúvidas acerca da saúde de seus telômeros, vale a pena consultar um médico especialista e analisar as possibilidades de melhoria para aumentar a produção de telomerase e assim garantir uma vida longa, saudável e livre de preocupações!

Leia mais




Constipação

Por Que Devemos Nos Preocupar Com a Constipação?

Lidar com a dificuldade de ir ao banheiro frequentemente é uma situação mais do que comum na vida de muitos brasileiros, principalmente entre as mulheres, no entanto, poucos são poucas as pessoas que sabem que a constipação e a lentidão do sistema digestivo são questões que podem prejudicar diretamente a qualidade de vida e interferir na saúde tanto em curto quanto em longo prazo.

A constipação, embora pareça inofensiva, pode gerar dores na região do cólon e da lombar, além de desenvolver quadros de fadiga e ansiedade devido ao mal-estar e ao inchaço que proporciona. Segundo o Instituto Nacional de Diabetes, Doenças Renais e Digestivas, a constipação consiste em quadros onde o indivíduo evacua menos de três vezes ao longo da semana.

Sintomas e Causas

Entre as principais causas da constipação estão a falta de ingestão de fibras, o estresse constante, a má alimentação, os hábitos sedentários e em alguns dos casos, o mau funcionamento do trato digestório. Mas para que a constipação seja notada, não é necessário apenas que haja uma baixa quantidade de evacuações, como também é possível que o paciente sinta que está evacuando menos que o normal, sentindo um inchaço na região do abdome e até mesmo quadros de gases que antes não lhe eram comuns.

A constipação também pode afetar o emocional, gerando estresse e cansaço físico, além de dores e incômodos constantes que afetam o desempenho do indivíduo no cotidiano. Por vezes uma dieta pobre em nutrientes ou o consumo de medicamentos como antidepressivos e diuréticos são o suficiente para desencadear um processo de desequilibro intestinal.

7 Remédios Naturais Para Prevenir e Tratar a Constipação

Muitas pessoas estão acostumadas a conviver com a constipação e, por falta de conhecimento ou até mesmo por hábito, não busca informar-se acerca das possibilidades para melhorar a qualidade de vida. No entanto, outras pessoas conhecem seu organismo como a palma de suas mãos e por isso sabe identificar quando algo está errado.

Nesses casos, é possível recorrer à métodos naturais e de fácil aplicação para melhorar tanto a saúde da flora intestinal quanto para garantir que seu intestino volte a funcionar normalmente. São escolhas simples, mas que garantem mudanças significantes ao organismo tanto no tratamento quanto na prevenção da constipação em longo prazo.

1.     Alimentos Ricos em Fibras

Primeiramente, deve-se aumentar o consumo de alimento com fibras, para melhorar tanto o volume quanto a consistência das fezes, fazendo com que seu trajeto no trato digestório seja facilitado e não cause incômodos ou dores. Entre os alimentos com fibras estão frutas, vegetais crus, nozes, grãos integrais, feijões e lentilha. Sempre que possível, o paciente deve buscar fibras categorizadas como solúveis, melhorando o funcionamento do intestino como um todo e, consequentemente, melhorando sua alimentação.

2.     Hidratação

O consumo diário de água faz grande diferença no funcionamento do organismo e principalmente no sistema digestivo, pois possibilita que as fibras ingeridas sejam transportadas com maior facilidade pelo intestino. No entanto, deve-se evitar o consumo de bebidas açucaradas como refrigerantes, chás industrializados e os famigerados sucos de caixinha, pois o excesso de açúcar intensifica os sintomas da constipação.

3.     Ameixas Secas

Seja in natura ou em suco, o consumo de ameixas secas é fundamental para aliviar os sintomas e tratar a constipação. A pequena fruta, quando desidratada, é considerada um dos melhores laxantes naturais, além de serem uma fonte de fibra prática para o dia a dia. Recomenda-se a ingestão de porções de 50g de ameixa entre duas e três vezes ao dia.

4.     Probióticos

Em diversos casos é necessário restaurar a flora intestinal para que o sistema digestivo volte a funcionar com harmonia, para isso, recomenda-se a ingestão de alimentos probióticos que garantem o equilíbrio das bactérias no intestino e auxiliam na produção do ácido láctico e do ácido graxo para melhorar a consistência das fezes.

5.     Café

O café está no dia a dia de todos os brasileiros, mas poucos sabem que a bebida é uma excelente forma de estimular os músculos do sistema digestivo, sendo considerada uma fonte de fibra solúvel de fácil acesso e que tem uma ingestão prática e natural ao cotidiano brasileiro.

6.     Evite Alimentos Com Lactose

Os alimentos com lactose são conhecidos por proporcionar a prisão de ventre e dificultar o movimento das fezes no intestino. Em diversos casos a constipação é causada pelo desconhecimento da intolerância à tal enzima, fazendo com que o paciente apresente os sintomas, mas desconheça a sua verdadeira causa.

Reduzir a quantidade de alimentos com lactose pode ser uma alternativa para descobrir se há ou não uma propensão à tal intolerância, e caso o resultado seja positivo, é necessário contatar um profissional para analisar e dar início ao tratamento para a doença.

7.     Pratique Exercícios Físicos

A prática constante de exercícios físicos facilita o movimento das fezes pelo intestino, pois incentiva a atividade muscular. A prática de yoga, natação ou até leves caminhadas já reduz significativamente os sintomas da constipação e melhora o sistema digestivo em longo prazo.

Tratamento da Constipação na Medicina Integrativa

Em primeira instância, a constipação pode ser controlada com métodos naturais, mas caso o quadro venha a se estabilizar com menos três ou menos evacuações semanais é necessário recorrer à um médico ou nutricionista para que sejam detectadas as verdadeiras causas.

Profissionais com uma abordagem segundo a medicina alternativa recomendam a conciliação do acompanhamento do paciente com seu médico de confiança, junto ao tratamento dos sintomas com métodos menos invasivos e que também tenham efeito preventivo, ou seja, poderá haver um tratamento misto entre os métodos convencionais, como o uso de remédios e indicações médicas, conciliado com métodos de medicina chinesa ou até mesmo o conhecimento acerca das ervas medicinais para controlar, tratar e prevenir que a constipação volte a incomodar tal paciente.

Desse modo, não apenas há uma sincronia entre as áreas da medicina, como também é possível observar a doença de forma ampla e ter assim uma visão diferente daquela que é comumente apontada em hospitais. A constipação é uma situação comum e está presente no dia a dia de todos, no entanto, cabe ao paciente conhecer seu corpo e saber até onde seu ritmo intestinal é considerado saudável para que possa aliviar os sintomas e tratar de seu organismo da melhor forma possível.

Constipação: 7 Remédios Naturais

Leia mais




Microagulhamento

Eficiência e Praticidade: Conheça as Vantagens do Microagulhamento

A cada dia que passa o microagulhamento se torna popular e almejado no mundo da estética. Um procedimento simples, que leva menos de 40 minutos para ser realizado e que promete renovar toda a pele a ponto de reduzir melasmas e apagar marcas causadas por acnes. O que para muitos parece ficção, hoje pode ser visto como realidade e está mais acessível que nuca.

Seu diferencial está no resultado natural e na suavidade da pele após o procedimento e seu respectivo tempo de recuperação. O microagulhamento é a tendência estética entre as famosas e os resultados rápidos são tentadores para quem deseja melhorar a qualidade da pele de forma natural e com saúde.

Indução Percutânea de Colágeno (ICPA)

O microagulhamento consiste na formação de lesões controladas na camada subcutânea da pele, estimulando o funcionamento do sistema inflamatório de modo a garantir que os fibroblastos que são responsáveis pela produção de colágeno voltem a agir. O processo conta com a perfuração de microagulhas em 4 diferentes direções utilizando um pequeno roller, onde as agulhas permitem a criação de novos vasos sanguíneos ao mesmo tempo em que criam novos canais para a entrada de nutrientes no tecido da pele.

O processo inflamatório, associado à ação dos fibroblastos, estimulam a criação de colágeno, elastina e ácido hialurônico por até 8 meses, dando uma aparência saudável, natural e tonificada à pele. Embora seja um processo relativamente doloroso e invasivo, não contém nenhum tipo de química ou composição artificial, permitindo que o próprio organismo alcance seus melhores resultados de forma orgânica e natural.

As Agulhas

Para realizar o microagulhamento é necessário um roller, objeto semelhante à um cilindro, que sustenta entre 200 e 400 microagulhas e é estruturado por uma haste que permite que o cilindro corra livremente pela pele. Cada roller pode ser utilizado apenas uma vez e a higiene e assepsia tanto do material quanto da própria pele devem ser motivo de atenção na hora do procedimento.

As microagulhas variam com espessuras entre 0,25mm e 3mm, tendo cada uma delas uma função específica para a pele. As agulhas mais grossas são recomendadas para o corpo, enquanto as mais finas são destinadas ao rosto e às áreas mais delicadas. A estimulação do colágeno, no entanto, só se dá com agulhas que possuem a partir de 0,5mm, visto que as demais apenas permitem a permeação de nutrientes para a pele, sendo recomendadas para hidratação e tratamentos mais superficiais.

O profissional deve recomendar agulhas que atendam a necessidade de cada paciente, e caso o mesmo se queixe de qualquer dor, é possível aplicar pomadas anestésicas ou anestesia local para que o procedimento seja indolor. As agulhas foram desenvolvidas para atingirem determinada camada da pele, mas sem causar ferimentos graves. As lesões causadas são controláveis e não causam nenhum risco à saúde.

Benefícios do Microagulhamento

Os resultados do microagulhamento podem ser vistos já nos primeiros 15 dias após a aplicação, contudo, seu ápice é dado aos três meses, quando o colágeno já está devidamente normalizado e a pele começa a ganhar uma nova estrutura de sustentação.

Entre os principais objetivos de quem recorre ao microagulhamento, a redução de manchas causadas pela acne é a mais popular, visto que ao estimular a produção de colágeno, elastina e ácido hialurônico o microagulhamento permite que o tecido se reformule e elimine as imperfeições, deixando a pele macia e, principalmente, uniforme.

Contudo, o procedimento também é recomendado para a redução de melasma de todas as intensidades, além de melhorar o fechamento dos poros e a textura da pele. Em caso de cicatrizes superficiais, o microagulhamento consegue reduzir significativamente os sinais, tornando-as marcas sutis e imperceptíveis, na maioria dos casos. O microagulhamento também ajuda no processo de rejuvenescimento facial, facilitando a permeação ativa de compostos e nutrientes e melhorando a aparência e a saúde da pele.

Microagulhamento no Corpo

Apesar de ser um procedimento popular para o rosto, também é possível realizar o microagulhamento por todo o corpo, reduzindo significativamente as marcas de celulites, flacidez e até mesmo para incentivar a nutrição do tecido da pele através da criação de novos vasos sanguíneos. Em diversas regiões, o microagulhamento proporciona a redução da pigmentação de manchas, deixando um efeito mais natural e suave sob a pele.

Sendo assim, o microagulhamento pode ser utilizado não apenas como um tratamento pontual e detalhista, como também se torna um procedimento prático para regiões maiores como culotes e coxas, onde é utilizado para estimular a produção de colágeno e assim reestruturar os tecidos, deixando a pele mais firme sem que pareça artificial.

Contraindicações

Entre as contraindicações para a aplicação do microagulhamento estão pacientes com inflamações recentes no rosto ou com algum tipo de herpes, visto que são sinais visíveis de baixa resistência e de alta propensão às contaminações externas. Além disso, pacientes com diabetes, com tendência à formação de queloides ou com pele demasiadamente sensível também devem evitar tal procedimento.

Mulheres gestantes e pessoas imunossupressoras não estão autorizadas a realizar o microagulhamento, pois não conseguem se recuperar da mesma forma que um paciente comum, logo, não alcançam o objetivo desejado com o procedimento estético.

Cuidados Após o Procedimento

Após realizar o microagulhamento é preciso ter muito cuidado com a pele, especialmente por se tratar de um procedimento que gera pequenos ferimentos, suscetíveis à entrada de quaisquer organismos externos que podem vir a infeccionar a lesão causada pela agulha e desencadear uma série de machucados pelo rosto. Sendo assim, logo após o procedimento é necessário aplicar um creme específico, que irá nutrir as aberturas e proteger levemente a pele.

Em seguida, será preciso manter a pele longe da exposição solar e ainda assim trata-la com protetor solar. A higiene deve ser feita constantemente com produtos específicos para a assepsia e deve-se evitar levar as mãos diretamente ao rosto ou aproximar-se de animais domésticos para garantir que o organismo consiga fechar todos os orifícios de forma gradual e orgânica, proporcionando assim o efeito natural e suave do microagulhamento.

Por se tratar de um procedimento com efeitos em longo prazo, é importante que seja realizado o tratamento contínuo com produtos específicos e com o pH adequado para a pele em recuperação. A ingestão de Vitamina C e proteína também faz grande diferença nos resultados do microagulhamento, pois ajuda o organismo na produção de colágeno. Converse com seu esteticista e busque produtos que estejam de acordo com a sua pele e que não prejudiquem o microagulhamento ou inibam a produção de colágeno.

A popularidade do microagulhamento cresce a cada dia, mas é importante ressaltar o procedimento deve sempre ser feito sempre por um profissional e não deve, de forma alguma, ser realizado com material reutilizado (mesmo que esterilizado) ou feito em casa.

Leia mais




Por Que Consumir Fibras Faz Bem à Saúde?

A Importância do Consumo Diário de Fibras

As fibras são as principais responsáveis pelo funcionamento equilibrado do sistema digestivo. Por se tratar de partes não digeríveis de alimentos vegetais, ao resistirem à absorção e ao processo digestivo, as fibras agem como auxiliadoras do transporte de alimentos pelo intestino, fazendo com que, primeiramente, os alimentos sejam envolvidos por uma camada semelhante à um gel, facilitando a absorção de seus nutrientes, e em seguida auxiliando na formação de volume fecal para que o que não fora absorvido pelo estomago possa ser eliminado pelo corpo.

A velocidade com a qual o sistema digestivo trabalha afeta diretamente a qualidade de vida e o bem-estar, além disso, uma vez que há uma absorção eficiente daquilo que é ingerido, o organismo aproveita melhor os nutrientes e garante maior saciedade, auxiliando também no processo de emagrecimento e controle de peso e influenciando no funcionamento intestinal como um todo.

Uma vez que as fibras entram em contato com os alimentos no intestino, é formado um gel protetor que aumenta a viscosidade para que os mesmos sejam melhores absorvidos pelo organismo e assim garantir um funcionamento mais eficiente do sistema gastrointestinal.

Fibras Solúveis e Fibras Insolúveis

As fibras podem ser divididas em duas classes, as fibras solúveis, responsáveis pelo trânsito intestinal e pela reprodução de bactérias favoráveis à flora intestinal, e as insolúveis, que auxiliam na formação do bolo fecal. Ambas as fibras são essenciais e devem ser consumidas diariamente, podendo ser encontradas em frutas e legumes ou na camada superior de cereais integrais, respectivamente.

O trabalho em conjunto das fibras solúveis e insolúveis faz com que o organismo funcione de forma equilibrada, e que o intestino não tenha problemas ao digerir os alimentos ou até mesmo para expeli-los em seguida. Sendo assim, é preciso elaborar uma dieta que contenha alimentos diversos e que sejam fontes dos dois tipos de fibras. A ausência de uma das fibras pode prejudicar o funcionamento do sistema digestivo, prejudicando toda a função gastrointestinal.

Quais São as Principais Fontes de Fibras?

Ao contrário do que é disseminado popularmente, as fibras não estão presentes apenas nos grãos integrais e em cereais, frutas, verduras e legumes também possuem altos níveis de fibras e podem auxiliar na diversificação da dieta. Uma forma simples de aumentar a quantidade de fibras ingeridas diariamente é através da inserção de pequenos grãos, sementes e cereais em saladas, sopas, iogurtes e vitaminas, sem alterar o sabor, mas oferecendo grandes valores nutritivos à refeição.

Entre as frutas, aquelas que possuem casca e bagaço possuem maiores quantidades de fibras, principalmente frutas cítricas como o limão e a laranja, mas também é possível obter fibras ao consumir amoras, uvas e ameixas secas. Já em relação às verduras e legumes, deve-se dar preferência aos mais folhosos e de cores escuras, assim como ervilhas, beterrabas, batatas, grão de bico e até mesmo mandioca. Recomenda-se ingerir os vegetais sempre crus ou cozidos ao vapor, de modo que os mesmos não percam suas propriedades devido ao cozimento.

Os farelos como farelo de trigo, farelo de aveia, assim como a linhaça, quinua, chia, granola, farinha de banana verde, soja e gergelim são fundamentais, pois dizem respeito às fibras insolúveis, necessárias para o aumento do volume fecal e para a prevenção da constipação no dia a dia.

Benefícios do Consumo de Fibras

Primeiramente, as vantagens de consumir fibras estão diretamente ligadas ao funcionamento do intestino, com a melhora do transito intestinal e o estímulo às bactérias consideradas positivas para a flora intestinal. No entanto, há muito mais sobre as fibras que seu trabalho no intestino.

Por auxiliarem no processo digestivo, as fibras também auxiliam no controle dos índices glicêmicos, e consequentemente, no controle da insulina no organismo. Além disso, o consumo regrado de fibras auxilia na redução do colesterol ruim (LDL) e no aumento do colesterol bom (HDL), gerando uma melhora direta na saúde cardíaca e nos casos de hipertensão. Todos os carboidratos são digeridos de forma mais lenta, aumentando a saciedade e auxiliando no processo de emagrecimento saudável.

Como agente preventivo, as fibras agem combatendo casos de úlceras e hemorroidas, além de prevenir o câncer de cólon e o câncer intestinal, doenças essas que assolam boa parte da sociedade atualmente. As fibras solúveis também inibem o crescimento de bactérias consideradas nocivas à flora intestinal, proporcionando assim um sistema digestório saudável e bem equilibrado. Consequentemente, a ingestão de fibras também melhora o sistema imunológico.

Hidratação

Para que as fibras funcionem como desejado, é preciso que haja a ingestão constante de líquidos, principalmente de água. As fibras solúveis se utilizam da água retida que fora ingerida para formar o gel responsável por movimentar os alimentos digeridos ao longo do intestino. Em uma dieta rica em fibras, é necessário ingerir entre 1,5L ou 2L de água, de modo que todas as fibras solúveis consigam atuar e melhorar o sistema digestivo.

Em caso de não ingestão de líquidos, é possível que surjam situações de constipação ou mal-estar, uma vez que as fibras começam a se acumular por não terem líquido o suficiente para realizar sua função.

Deficiência de Fibras: Conheça os Riscos

A ausência da ingestão de fibras pode vir a prejudicar não apenas o sistema digestório, como também desequilibra os índices glicêmicos e aumenta a produção do colesterol ruim (LDL). O primeiro sinal que aponta a ausência de fibras no organismo é a constipação e o transito lento do intestino, fazendo com que o paciente tenha incômodos na região abdominal e possa desenvolver, em longo prazo, doenças como o câncer de cólon.

Sendo assim, inserir pequenas porções de fibras diariamente ajuda no bem-estar e melhora a qualidade de vida em curto, médio, e principalmente em longo prazo. As mudanças podem ser singelas e apenas 30 gramas de fibras ao dia já suprem a necessidade do organismo e melhoram o funcionamento intestinal. Troque os grãos por versões integrais e aproveite a casca e os bagaços das frutas, com esses pequenos gestos você conseguirá observar mudanças significativas na saúde do intestino e no processo de digestão.

Leia mais




Bioplastia: Harmonização e Equilíbrio

A Praticidade dos Pequenos Procedimentos Estéticos

Os procedimentos estéticos estão cada vez mais populares nos centros de beleza atuais. Os pequenos ajustes e o apagamento de determinadas imperfeições são demasiadamente atraentes ao público consumidor, principalmente quando falamos sobre procedimentos minimamente invasivos e com resultados prolongados e naturais.

Aplicações de ácido hialurônico, polimetilmetacrilato, procedimentos de lifting e sutura silhouete ganham mais adeptos a cada dia por serem métodos rápidos e que apontam os resultados já na primeira semana. Enquanto antes era necessário passar horas numa mesa de cirurgia para corrigir determinada região, hoje em dia é possível que o paciente vá até o consultório, modele seu corpo e volte em seguida para sua casa ou trabalho, sem que haja grandes impactos no dia a dia e com apenas alguns cuidados preventivos.

Além de mais práticos, tais procedimentos tendem a ser menos invasivos e oferecer um resultado natural, equilibrando a beleza do corpo e evitando o famigerado efeito artificial deixado por alguns processos estéticos.

Entre os principais procedimentos da atualidade está localizada a bioplastia, técnica de modelagem que trabalha utilizando biomateriais para seus implantes, de modo a proporcionar um efeito leve e possibilitar uma absorção e integração orgânica do produto pelo próprio organismo.

Como Funciona a Bioplastia?

A bioplastia consiste na aplicação de um gel repleto de partículas de polimetilmetacrilato (PMMA) devidamente polidas e arredondadas que irão lentamente ser incorporadas às camadas mais profundas da pele. O gel que recobre e protege as partículas de PMMA é absorvido pelo organismo com o tempo, eliminando o inchaço na região e garantindo os resultados finais. Além disso, ao ser absorvido pelo corpo, o gel incentiva lentamente a produção de colágeno, fazendo com que a proteína comece a ser produzida de forma natural e espontânea.

Ao ser aplicado, o PMMA se mantém no mesmo local, podendo ser considerado um procedimento com efeito de longo prazo, ideal para corrigir cicatrizes e imperfeições, especialmente na região do rosto, onde os traços são mais delicados e as linhas devem sempre ser finas e suaves.

O procedimento de aplicação é realizado com agulhas, não exigindo cortes ou sedação total. O esteticista irá anestesiar a região para em seguida depositar o biomaterial nos planos anatômicos mais profundos da pele. Se trata de um procedimento simples, que pode ser feito diretamente no consultório e que possibilita o ajuste gradual para que o resultado fique como cada paciente deseja.

Usos Medicinais da Bioplastia

O processo da bioplastia é conhecido há mais de 50 anos e foi, durante muito tempo, um recurso de uso exclusivamente medicinal utilizado como forma de melhorar a espessura óssea, otimizar a lente intraocular, tratar sequelas deixadas pela paralisia infantil, preencher áreas que possuíssem algum tipo de defasagem e até mesmo no preenchimento do tecido subcutâneo facial em pacientes soropositivos.

Com o passar do tempo a técnica foi sendo aprimorada e ajustada para resultados pontuais e delicados, podendo finalmente ser utilizada no rosto e em procedimentos de ajuste estético.

Bioplastia Como Forma de Modelar o Corpo

A bioplastia é utilizada em todas as regiões do corpo atualmente, sendo escolhida para modelar principalmente áreas como os glúteos, coxas ou até mesmo retirar celulites. Para o público masculino, o uso da bioplastia tem sucesso devido à sua ação nos bíceps, tríceps e ombro, definindo e modelando o corpo para alcançar os melhores resultados.

Com relação ao rosto, a bioplastia é a forma suave de corrigir detalhes e garantir um maior volume ao rosto, levantando as maçãs do rosto, aumentando os lábios e levantando sutilmente o nariz. São meros detalhes que fazem a diferença, tanto quando comparados entre si, quanto na autoestima de quem passa por tal procedimento.

O profissional que realiza o processo de bioplastia tem um trabalho muito semelhante ao escultor, pois deve moldar e ajustar o corpo humano prezando sempre pelo equilíbrio e simetria. Por se tratar de um processo pontual, consegue proporcionar resultados mais eficientes e agir diretamente no problema em questão. Não é preciso modelar todo o rosto para melhorar seu formato, basta realizar a aplicação de pequenas quantidades de PMMA na região do queixo, por exemplo, garantindo um novo desenho e melhorando a estética do rosto.

Contraindicações

No entanto, apesar de ser um método indicado para modelar o corpo e aumentar determinadas regiões, a bioplastia não é recomendada para mulheres na região dos seios, uma vez que forma uma camada de PMMA e dificulta diretamente o autoexame e a detecção de nódulos do câncer de mama.

Ainda assim, é preciso conversar com um médico ou especialista antes de realizar o procedimento de bioplastia, para analisar se há algum tipo de rejeição do corpo e ter certeza de que não haverá efeitos colaterais após a aplicação. Ao contrário do que aparenta, um procedimento estético menor exige tanta atenção quanto as grandes cirurgias e aplicações.

Após a autorização médica é possível dar início à bioplastia e calcular as quantidades necessárias para o efeito desejado. O paciente pode acompanhar acordado o resultado durante a aplicação, observando as mudanças e opinando nos detalhes. Embora seja simples, a bioplastia deve ser feita com muito cuidado e o esteticista responsável deve estar atento para que não haja nenhum tipo de desproporção devido à aplicação em demasia.

Recuperação

A recuperação após uma bioplastia é simples e rápida, deixando apenas um leve inchaço nos primeiros dias e em seguida permitindo que o organismo se ajuste ao PMMA e vice-versa. Por se tratar de uma partícula que não se desloca, o uso do PMMA permite que o paciente tenha uma rotina normal horas após o procedimento, exigindo apenas alguns cuidados relacionados à alimentação.

Vantagens da Bioplastia em Longo Prazo

No entanto, a bioplastia se tornou um processo vantajoso para todos aqueles que buscavam efeitos duradouros ao mesmo tempo em que não desejavam grandes mudanças em seu rosto ou corpo. Ao utilizar biomateriais não absorvíveis, a bioplastia permite que o corpo integre tais substâncias sem causar nenhum tipo de repulsa ou reação alérgica.

A bioplastia é, portanto, um ajuste para longo prazo, perfeito para corrigir imperfeições que venham a incomodar o paciente e eliminar de vez os problemas estéticos por não exigir nenhum tipo de retoque ou reaplicação. Os resultados definitivos são um diferencial para a bioplastia, visto que diversos outros procedimentos estéticos possuem um efeito de até 24 meses, se tornando inviável no quesito financeiro e na praticidade.

Sendo assim, a bioplastia consegue oferecer melhores resultados por um preço muito abaixo daquele que é cobrado em grandes procedimentos estéticos, ou seja, é uma excelente vantagem para aqueles que buscam corrigir detalhes com precisão, beleza e suavidade.

Leia mais




A Importância das Vitaminas

_________________________________________________________

Por Que Devemos Consumir Vitaminas Diariamente?

O consumo diário de vitaminas é fundamental para sustentar todas as reações químicas realizadas pelo organismo e para garantir que o metabolismo funcione perfeitamente, permitindo que o sistema imunológico atue quando necessário e proporcionando energia para todos os sistemas.

As vitaminas são nutrientes que o organismo precisa para se manter ativo e saudável, mas que não os produz, obrigando-o a absorver tais nutrientes através da alimentação. Sendo assim, uma alimentação pobre em vitaminas não oferece tudo o que é necessário para que o corpo funcione perfeitamente, no entanto, uma alimentação rica em nutrientes possibilita qualidade de vida e saúde graças às vitaminas presentes em cada um dos alimentos.

Vitaminas Lipossolúveis

As vitaminas lipossolúveis necessitam de lipídeos para se tornarem solúveis, mas como não são utilizadas diariamente, tendem a ficar acumuladas nos tecidos adiposos para suprir a necessidade diária. São vitaminas que não precisam, necessariamente, serem consumidas todos os dias, mas que devem estar presentes em algumas refeições ao longo da semana.

Vitamina A

Encontrada em vegetais alaranjados e alimentos de gorduras como cenoura, abóbora, ovos, leite e fígado, a Vitamina A é responsável pela proteção das células contra os radicais livres, além de cuidar dos tecidos epiteliais. Em muitos casos, a ausência de Vitamina A pode causar dificuldades para enxergar ou até mesmo cegueira;

Vitamina D

Apesar de estar presente em alimentos como peixes gordos e fígado, necessita da radiação solar para auxiliar em sua sintetização no organismo. A Vitamina D auxilia na produção de insulina e no processo de absorção do cálcio, sendo fundamental para crianças e pessoas da terceira idade;

Vitamina E

A Vitamina E é uma vitamina completa, pois age no sistema nervoso, sistema muscular e auxilia na prevenção contra determinados tipos de câncer, além de melhorar o sistema imunológico. Pode ser adquirida em alimentos conhecidos pela ‘gordura boa’, como amendoim, sementes de girassol, algumas castanhas e vegetais de folhagem escura;

Vitamina K

Conhecida por atuar no sistema circulatório, a Vitamina K é uma das principais fontes da coagulação sanguínea. Sua ausência pode desencadear hemorragias e problemas estruturais nos ossos. Para consumir Vitamina K, recomenda-se couves, fígado, feijão e leite.

Vitaminas Hidrossolúveis

Já as vitaminas hidrossolúveis transitam com maior facilidade pelo sistema, sendo absorvida quando necessária e descartada constantemente através da urina. Ao contrário das vitaminas lipossolúveis, as hidrossolúveis não ficam armazenadas em nenhum tecido, logo, por serem solúveis em água e terem um processo de descarte muito frequente, as vitaminas hidrossolúveis devem ser consumidas em altas quantidades e diariamente, de modo a garantir energia e nutrição para o organismo sempre que necessário.

Vitamina B1

Por se tratar de uma vitamina necessária no dia a dia, a Vitamina B1 pode ser facilmente encontrada em cereais integrais, oleaginosas e fontes animais como fígado e carne de porco. A vitamina é fundamental para regular o sistema nervoso e o sistema cardiovascular, além de auxiliar no controle do peso. A ausência de Vitamina B1 pode desencadear fraqueza e transtornos emocionais;

Vitamina B2

O consumo de Vitamina B2 diariamente auxilia diretamente na produção de células vermelhas, melhorando o funcionamento do organismo e gerando energia para o metabolismo. Além disso, a vitamina também colabora para a diminuição de acnes e reduz os riscos de doenças oculares como a catarata. É possível absorver a Vitamina B2 em alimentos como ovos, leite e seus respectivos derivados, carne vermelha e vegetais de folhas verdes, como o brócolis e a couve;

Vitamina B3

A Vitamina B3, encontrada em carnes no geral e em cereais como o trigo, age diretamente na redução dos níveis de colesterol e no controle dos níveis de diabetes. Sua ingestão diária se torna uma forma simples de combate às doenças como o Alzheimer e determinados tipos de câncer. Pessoas que sofrem com artrite devem recorrer ao consumo de alimentos com Vitamina B3 para aliviar os sintomas e reduzir as dores;

Vitamina B5

Alimentos ricos em Vitamina B5 agem diretamente no metabolismo, processando carboidratos e gorduras de forma eficaz, auxiliando na perda de peso. A vitamina também auxilia no funcionamento do sistema nervoso e na produção de energia para uso diário. Consumir Vitamina B5 é uma forma simples de reduzir os níveis de colesterol. As principais fontes da Vitamina B5 são cogumelos, batata doce, fígado, carnes magras, sementes de girassol e demais oleaginosas;

Vitamina B6

A Vitamina B6 é fundamental para metabolizar proteínas e auxiliar na produção de hormônios como a serotonina, aliviando sintomas da TPM e ajudando no combate à depressão. Além disso, a Vitamina B6 também estimula a produção de células vermelhas e melhora a saúde do coração. A ausência de tal vitamina pode desencadear crises convulsivas e sensação de adormecimento na pele. Para repor os níveis diários de Vitamina B6 no organismo, recomenda-se o consumo de alimentos como aveia, banana, abacate e cereais;

Vitamina B7

Presente em alimentos como o ovo, soja, legumes de folhas verdes e peixes, a Vitamina B7 é fundamental para a reparação de tecidos, melhorando a saúde da pele e das unhas, e para o ganho de massa muscular. A vitamina consegue melhorar o metabolismo e queimar gorduras ao mesmo tempo em que regula os níveis de glicose no sangue, portanto, o resultado do consumo adequado de Vitamina B7 é um corpo saudável e esbelto;

Vitamina B9

Popularmente conhecida como ácido fólico, a Vitamina B9 é essencial para o bem-estar diário. Uma vez no organismo, a vitamina auxilia na redução de transtornos emocionais e diminui as chances de AVC. Além disso a Vitamina B9 auxilia no sistema cardiovascular, estimulando a produção de hemoglobinas e agindo diretamente no metabolismo. A Vitamina B9 pode ser encontrada em frutas secas, na gema do ovo, em peixes e no fígado de boi, frutas e vegetais de cores fortes como cenoura e abóbora também são excelentes fontes dessa vitamina;

Vitamina B12

Entre as vitaminas do Complexo B, a Vitamina B12 é a mais conhecida pelo público num geral, mas poucos conhecem suas verdadeiras vantagens. Primeiramente, a Vitamina B12 é utilizada para auxiliar no metabolismo, fornecendo energia e agindo diretamente na disposição diária, contudo, seus benefícios englobam outros sistemas, como o nervoso e o cardiovascular, uma vez que a vitamina estimula na produção de hormônios e na prevenção de doenças cardíacas causadas pela ausência de determinados aminoácidos. A Vitamina B12 também é recomendada para casos de anemia e pode ser encontrada em alimentos como fígado, peixes gordos e probióticos como o Kefir e derivados;

Vitamina B17

A Vitamina B17 é uma das principais apostas para o combate e tratamento do câncer atualmente e pode ser facilmente encontrada em alimentos como sementes, castanhas, cereais e até mesmo no arroz integral. Suas propriedades também melhoram na disposição e na desintoxicação do organismo. Recomenda-se que seja consumida diariamente em pequenas quantidades, de modo a repor os níveis necessários pelo organismo sem sobrecarrega-lo com o excesso da vitamina.

Diversifique os Pratos e Construa Uma Alimentação Saudável

Para consumir todas as vitaminas necessárias diariamente, diversifique os cardápios e busque quais são as melhores fontes de determinadas vitaminas. Conhecer os alimentos é o primeiro passo para melhorar a alimentação e desenvolver uma dieta exclusiva de acordo com as necessidades de cada um.

Peça a ajuda de um profissional para montar cardápios diferenciados e saborosos e realize exames constantemente para analisar quais vitaminas podem ser acrescentadas no dia a dia e quais alimentos são ideais para o seu organismo. O segredo está no equilíbrio, garantindo bem-estar e qualidade de vida em curto, médio e, principalmente, em longo prazo.

Leia mais




Sutura Silhouete: Uma Forma Natural de Combater as Linhas de Expressão


A Evolução dos Procedimentos Estéticos

Os procedimentos estéticos, assim como os demais setores da medicina atual, vêm ganhando atualizações cada vez mais relevantes, de modo a facilitar o trabalho dos profissionais e garantir resultados cada vez mais suaves e naturais, algo fundamental para quem busca ajustar pequenos detalhes e imperfeições.

Ao longo dos anos, diversos procedimentos estéticos foram taxados como superficiais, devido aos resultados exuberantes ou até mesmo ao inchaço proveniente das primeiras semanas após a aplicação. Com os avanços tecnológicos atuais, no entanto, é possível realizar uma série de procedimentos muito semelhantes aos anteriores, sem que o mesmo seja demasiadamente invasivo ou que venha a prejudicar à saúde ao longo dos anos.

Os procedimentos modernos buscam ser cada vez mais sutis, com produtos não nocivos ao organismo em longo prazo, mas que ainda assim garantam resultados visíveis. A sutura de silhouete é um dos principais exemplos dessa nova fase da estética mundial, pois preza pela naturalidade dos resultados ao mesmo tempo em que estimula o organismo a produzir colágeno em longo prazo.

O Que é a Sutura Silhouete?

A sutura silhouete é um método criado nos Estados Unidos e autorizado pela ANVISA no final de 2013 que consiste na implantação de fios de sustentação subcutâneos com pequenos cones de ácido polilático, que uma vez em contato com o organismo, começa a se dissolver e estimular a produção natural de colágeno ao mesmo tempo em que fazem o lifting em determinada região do corpo.

O principal uso da sutura silhouete é no rosto, para reduzir as linhas de expressão e garantir que a pele volte a ter a sensação de firmeza, no entanto, é possível utilizar tal procedimento para reestruturar todas as partes do corpo, incluindo o pescoço e algumas regiões da barriga. Os fios são colocados em pares para garantir o equilíbrio entre os dois hemisférios do corpo e não oferecem nenhum tipo de risco à saúde por serem produzidos com biomateriais que, futuramente, serão absorvidos pelo próprio organismo. A colocação pode ser feita de modo gradual, assim os resultados serão ajustados de acordo com a necessidade de cada paciente.

O procedimento é ligeiramente invasivo, contando apenas com a aplicação da anestesia local e da inserção do fio através de uma agulha entre a camada superficial de gordura e a derme. A duração da sutura silhouete varia entre 30 minutos e 1 hora, mas não é necessário o repouso prolongado, uma vez que o procedimento não oferece riscos à saúde. O resultado é visto logo nos primeiros dias e a duração do procedimento pode chegar até 24 meses, variando de acordo com a produção de colágeno de cada organismo.

Efeito Regenerativo

O diferencial da sutura silhouete está, principalmente, em seu fator regenerativo, desencadeado pela liberação do ácido polilático no organismo, estimulando a produção de colágeno e garantindo que tal proteína consiga reduzir as marcas de idade ao mesmo tempo em que regenera o tecido e diminui o nível de profundidade das marcas. Enquanto muitos procedimentos tratam apenas o ‘agora’, a sutura silhouete providencia o efeito em longo prazo, garantindo que o próprio corpo consiga se reestruturar para diminuir as linhas de expressão.

A regeneração do tecido é fundamental por retardar o envelhecimento e tratar o problema, ou seja, garantir que a pele tenha uma aparência mais nova e que, aos poucos, se reconstitua como uma pele mais nova e mais saudável. Ao reestimular a produção de colágeno a sutura silhouete está fazendo com que o organismo volte a produzir uma proteína essencial para o bem-estar e para a qualidade de vida, não somente estética quanto no quesito de proteção dos ossos.

Resultado Natural e Suave

Entre os perfis indicados à realização da sutura silhouete estão casos de pele nova ou de média idade, entre os 30 e 60 anos, pois ainda conseguem reestruturar a produção de colágeno e prorrogar o lifting. Situações onde há flacidez ou acumulo de pele, queda das maças do rosto ou das pálpebras, flacidez no pescoço ou até mesmo as famigeradas marcas como o ‘bigode chinês’ podem ser facilmente corrigidas com a aplicação da sutura silhouete.

Primeiramente o procedimento irá garantir o levantamento da região, proporcionando um resultado imediato e um leve inchaço devido à colocação dos fios. Ao longo da primeira semana, o ácido será liberado e absorvido pela pele, fazendo com que a mesma produza, lentamente, quantidades de colágeno para a reparação local. Sendo assim, o resultado vai ganhando a verdadeira forma com o passar dos dias e não causa impacto por trazer leves mudanças.

Ao contrário de muitos procedimentos estéticos, os resultados da sutura silhouete foram pensados para serem suaves, sutis e, quando possível, imperceptíveis, trazendo um rejuvenescimento orgânico e natural, quebrando os estereótipos que dizem respeito à artificialidade dos procedimentos estéticos em geral.

A correção leve e a praticidade do procedimento fizeram da sutura silhouete um dos procedimentos mais desejados da atualidade, além da segurança proporcionada por se tratar de um material desenvolvido para ser absorvido pela própria pele, não deixando nenhum tipo de resíduo ou sequela após o procedimento.

Contra Indicações

Embora seja um procedimento seguro e favorável para a maior parte da população, a sutura silhouete também possui algumas restrições e contra indicações, relacionadas principalmente aos pacientes que possuem algum tipo de alergia ou sensibilidade à biomateriais, que possuam coagulopatias ou que tenham infecções na região facial com muita frequência. Nesses casos, recomenda-se a consulta à um dermatologista e a realização de exames para verificar se o procedimento pode ou não ser autorizado.

Como Obter os Melhores Resultados?

Contudo, para quem deseja obter os melhores resultados e alcançar o rosto dos sonhos, é recomendável a associação da sutura silhouete com outros procedimentos estéticos, como a aplicação do ácido hialurônico ou até mesmo do popular botox. O uso dos fios de sustentação da sutura silhouete não impede os demais procedimentos e é, inclusive, recomendado para garantir resultados mais suaves.

O segredo para resultados naturais não está no excesso de procedimentos, mas sim no equilíbrio entre procedimentos que forneçam aquilo que você realmente deseja, sem que os mesmos sejam utilizados em demasia. A harmonia é sempre a chave para a beleza e a sutura silhouete veio ao mercado como forma de provar que é possível atingir resultados suaves sem que para isso seja necessário realizar uma infinitude de procedimentos estéticos, se trata de uma nova fase da estética: natural, simples e orgânica.

Leia mais




POSSO BEBER ÁGUA DE CÔCO A VONTADE?

Nesse vídeo tiro uma dúvida comum em meu consultório…
Assistam e saibam o que é o correto!

LINK DO INFOGRÁFICO: https://goo.gl/RcSsq2

FACEBOOK: Doutor Luiz Guedes
INSTAGRAM: @drluizguedes

 

** Consulte seu médico. Esse vídeo não substitui uma consulta médica **

 

Leia mais